Proibição de jogos com torcida frustra prefeitura e governo do Rio de Janeiro

As autoridades apoiavam o retorno do público aos jogos a partir de outubro

  • Por Jovem Pan
  • 28/09/2020 07h28 - Atualizado em 28/09/2020 11h00
WILIAN OLIVEIRA/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDOLance durante a partida entre Santos e Flamengo, válida pelo Campeonato Brasileiro da Série A, na Vila Belmiro, em Santos (SP), neste domingo (30)

Múltipla frustração no Rio de Janeiro marca a decisão de clubes e federações de vetar, pelo menos por enquanto, a presença das torcidas nos estádios de futebol durante as competições, especial no Campeonato Brasileiro. A Prefeitura do Rio de Janeiro, a Federação de Futebol do Estado e, até mesmo, o governo fluminense vinha apoiando o retorno do público aos jogos a partir de outubro. Inicialmente, a proposta era autorizar o retorno dos torcedores em 30% da capacidade das arenas e estádios. A Prefeitura do Rio chegou inclusive a anunciar que o jogo entre Flamengo e Athletico Paranaense, no dia 4 de outubro, pode ter a presença dos torcedores. Posteriormente, o governo estadual também decidiu autorizar o público nas arenas, mas faltava o aval da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), que é organizadora do  Campeonato Brasileiro e da Copa do Brasil.

No sábado, 26, em reunião virtual não houve consenso na direção da volta do público aos estádios no mês de outubro. Curiosamente, a Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro e o Flamengo, um dos interessados do retorno da torcida, não participaram do evento online que contou com a participação de clubes e federações de futebol. Após a reunião, ficou decido que o tema será reavaliado a cada 15 dias. No entanto, na visão da CBF todos os clubes devem ter os mesmos direitos. Ou seja, se o público voltar em uma praça, deve voltar em todos os estádios do Brasil para que não haja pesos diferentes entre as equipes.

*Com informações do repórter Rodrigo Viga