Queiroga descarta vacinação compulsória e uso da CoronaVac em crianças: ‘Não tem registro’

Ministro da Saúde reconheceu que vacina da Pfizer para o público infantil ‘é segura’, mas disse que caberá aos pais a decisão sobre a imunização contra a Covid-19: ‘Vamos apoiar’

  • Por Jovem Pan
  • 05/01/2022 10h38 - Atualizado em 05/01/2022 10h39
ANTONIO MOLINA/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, usa máscara branca Ministro da Saúde ressaltou que mais de 80% da população com mais de 12 anos já está vacinada

O ministro Marcelo Queiroga voltou a afirmar que os pais terão a possibilidade de optar, ou não, pela vacinação de seus filhos contra a Covid-19. A fala acontece um dia após a audiência pública realizada para debater a imunização de crianças de 5 a 11 anos com a vacina da Pfizer, aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em 16 de dezembro. A expectativa é que a decisão final do Ministério da Saúde sobre o tema seja divulgada nesta quarta-feira, 5, e, com isso, seja liberado o cronograma. “O Ministério se programou com antecedência para oferecer as doses de vacinas pediátricas para todos os pais que, livremente, quiserem vacinar suas crianças. Assim que a Anvisa concedeu o registro dessa nova apresentação da vacina, o Ministério da Saúde já fez a solicitação dos imunizantes e ele serão disponibilizados a medida que a indústria tenha esses imunizantes para ofertar para a população”, destacou Queiroga durante entrevista ao Jornal da Manhã, da Jovem Pan News, sem dar previsões para o início da campanha de imunização. 

“Toda vida é importante e temos que cuidar de todas elas”, acrescentou o chefe da Saúde. No entanto, embora reconheça que “a vacina é segura, segue critérios médicos, foi testada e vem sendo utilizada nos principais países”, Queiroga afirma que a aplicação não terá caráter compulsório. Ou seja, não será obrigatória para o público infantil. Caberá aos pais analisarem os benefícios e possíveis efeitos adversos da aplicação. “Estamos oferecendo para os pais decidirem vacinar seus filhos e vamos apoiar os pais para que possam tomar a melhor decisão”, disse, descartando também um possível uso da CoronaVac, do Instituto Butantan, nessa faixa etária. “Não tem registro na Anvisa e vacinas que não tem registro na Anvisa não devem ser consideradas”, concluiu.

Ainda sobre a campanha de imunização no Brasil, o ministro da Saúde ressaltou que mais de 80% da população com mais de 12 anos já está vacinada, o que reflete na queda nos índices da pandemia no país. “A campanha de vacinação do Brasil é uma das bem mais sucedidas do mundo, isso é reconhecido pela Organização Mundial da Saúde. Ninguém pode obscurecer o que está acontecendo no Brasil: uma queda de 90% no número de óbitos. O Sistema Único de Saúde foi muito fortalecido no governo Bolsonaro”, completou. De acordo com Queiroga, a estimativa é que 22 milhões de crianças estejam aptas para a vacinação contra a Covid-19. No entanto, o ministro diz que a pasta não sabe exatamente qual será a adesão dos pais à vacinação.