Queiroga diz que varíola dos macacos não é motivo de preocupação

Ministério da Saúde monitora os casos suspeitos existentes no Brasil, nos Estados do Ceará, Rio Grande do Sul, de Santa Catarina e em Mato Grosso do Sul

  • Por Jovem Pan
  • 03/06/2022 11h23 - Atualizado em 03/06/2022 13h36
ANTONIO MOLINA/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga

O Distrito Federal já está estruturado para lidar com o surgimento do vírus Monkeypox, causador da doença conhecida como Varíola dos Macacos. O Centro de Informações Estratégicas e Vigilância em Saúde do DF emitiu um alerta epidemiológico às unidade de atenção básica e hospitalares das redes pública e privada, para que fiquem atentas aos possíveis casos suspeitos. O Ministério da Saúde monitora casos suspeitos em quatro Estados: Ceará, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e em Mato Grosso do Sul. O ministro Marcelo Queiroga disse que, mesmo diante de novos casos, ainda não há motivo de preocupação.

“Acompanhamos os casos. O Brasil tem três casos sob vigilância. Nós temos três laboratórios capacitados para fazer o diagnóstico. Já negociamos, em parceria com a Organização Pan-americana de Saúde a possibilidade de vacinas que possam ser aplicadas em um público específico. Então, a população brasileira confia na sua autoridade sanitária e é com essa confiança que nós estamos superando todas as dificuldades”, disse Queiroga. O caso suspeito do MS é de uma adolescente de 16 anos que está internado e isolado. A varíola dos macacos se assemelha à varíola humana, erradicada em 1980. A doença ocorre principalmente na África Central e Ocidental. Os casos costumam aparecer nas proximidades de florestas tropicais, onde há animais que carregam o vírus. No momento, a orientação é que, em caso de suspeita de contaminação, a pessoa fique isolada imediatamente, mesmo sem a confirmação por exames.

*Com informações do repórter Bruno Pinheiro