São Paulo inicia vacinação contra a Covid-19 em aldeias indígenas

 A expectativa é que cerca de três mil índios sejam imunizados contra a doença

  • Por Jovem Pan
  • 21/01/2021 10h42
MIGUEL NORONHA/AGÊNCIA F8/ESTADÃO CONTEÚDO - 19/01/2021Os indígenas começaram a receber as doses da CoronaVac na unidade básica de saúde "Vera Poty"

A capital paulista deu início a vacinação contra a Covid-19 em povos indígenas nesta quarta-feira, 20. A unidade básica de saúde “Vera Poty”, que fica na área rural de Parelheiros, em São Paulo, foi o local em que os indígenas das tribos locais começaram a receber as doses da CoronaVac. Uma mulher de 107 anos e outra de 83, ambas da aldeia “Tenondé Porã”, foram as primeiras a receber o imunizantes. Em seguida, outros indígenas da mesma tribo e também da “Krukutu” foram vacinados. Para o secretário municipal de saúde, Edson Aparecido, essa parte da população precisava ser vacinada com rapidez. “A vacinação ela tem essa importância porque protege uma população que é muito vulnerável. por isso a cidade de São Paulo foi a única que quando recebeu a vacina, iniciou a vacinação de profissionais da saúde, de idosos acamados e da população indígena.”

Apenas na região de Parelheiros, Zona Sul da capital paulista, nove aldeias estão distribuídas em 16 mil hectares, local em que vivem quase mil indígenas. Dessa população, 60% testou positivo para Covid-19 e três pessoas morreram.  Pedro, que é chefe da etnia Guarany, estava preocupado com o avanço do novo coronavírus nas tribos. “A gente deu a volta, não teve mais óbitos. Eu fiz quatro testes, os quatro deram negativo e minha filha deu positivo, mas não contagiou nós e ela ficou recuperada, ficou no isolamento.”

O subprefeito da região, Marco Antônio Furchi, conta que no local vivem indígenas nômades e que por causa da pandemia, muitos se estabeleceram por ali. “Agora com a pandemia, eles estão fixos na região e com a vacinação acredito que vão se estabilizar na região até a pandemia se afaste um pouco. Esperamos que esse ano a gente consiga vacinar em São Paulo pelo menos 70% da população”, explicou. Cerca de 3 mil indígenas moram em reservas na cidade de São Paulo e todos eles devem receber a vacina de forma prioritária.

*Com informações da repórter Mônica Simões