Semana de Moda de Paris começa nesta segunda com desfiles esvaziados e expectativa de atos políticos

Quando a pandemia de Covid-19 explodiu na Europa e nos EUA, as passarelas exibiam as coleções outono/inverno

  • Por Jovem Pan
  • 28/09/2020 06h23 - Atualizado em 28/09/2020 08h12
EFENomes como Prada, Versace e Armani ficaram online -- enquanto Fendi enxugou a lista de convidados de 1500 para 130

Com desfiles híbridos, a tradicional Paris Fashion Week — a mais aguardada semana de moda internacional — começa nesta segunda-feira (28) na capital francesa. No início do ano, quando a pandemia de Covid-19 explodiu na Europa e nos Estados Unidos, as passarelas de Nova York, Milão, Londres e Paris exibiam as coleções outono/inverno. Algumas marcas cancelaram a apresentação, enquanto outras foram para o digital.

Depois dessa experiência, as marcas já se prepararam para apresentar novas coleções de outras formas — o que veio a calhar diante dos temores de uma segunda onda da pandemia. Mês passado, o governador de Nova York, Andrew Cuomo, autorizou o evento presencial desde que respeitasse as regras de distanciamento, uso de máscaras e restrição de público. Nomes como Ralph Lauren e Tommy Hilfiger optaram por ficar de fora das apresentações.

Às vésperas da eleição presidencial, as passarelas também exibiram protestos políticos, com estímulos ao voto e mensagens incisivas — como a frase “Vote ou Morra – De Verdade Dessa Vez” da marca Pyer Moss. Já em Londres a maior parte apresentou as coleções remotamente, com algumas optando por sessões particulares marcadas previamente. Milão, localizada em uma das regiões mais afetadas pela pandemia na Itália, teve cerca de 60% dos desfiles digitalizados.

Nomes como Prada, Versace e Armani ficaram online — enquanto Fendi enxugou a lista de convidados de 1500 para 130. A Gucci ficou de fora da Milão Fashion Week. A partir desta segunda-feira (28), Paris receberá ao todo 84 desfiles e somente 18 serão presenciais. Em nota, a Câmara da Alta Costura disse que está em constante contato com as autoridades de saúde e criou protocolos específicos para o evento. Na semana passada, o presidente francês, Emmanuel Macron, voltou a impor restrições de circulação para conter uma segunda onda de coronavírus no país.

*Com informações da repórter Nanny Cox