Senadores visitam neste sábado áreas devastadas no Pantanal

Parlamentares querem que Mourão e os ministros Ricardo Salles e Tereza Cristina percorram a região

  • Por Jovem Pan
  • 19/09/2020 07h17 - Atualizado em 21/09/2020 08h16
REUTERS/Amanda PerobelliMourão reagiu à decisão do governo francês de se opor à versão atual do tratado comercial entre a União Europeia e o Mercosul

Enquanto os incêndios continuam devastando o Pantanal, um grupo de voluntários corre contra o tempo para tentar salvar a fauna da região. O bioma é a casa de quase 500 espécies de aves, mais de 100 espécies de répteis e 132 espécies de mamíferos. O estudante de veterinária, Enderson Barreto, diz que o trabalho está sendo intenso. A veterinária Luciana Guimarães ressalta que, além do fogo, muitos bichos acabam morrendo por outros motivos. Enquanto os voluntários percorrem os rios da região, procurando animais feridos, é comum ver muitas onças-pintadas machucadas. O veterinário Jorge Salomão diz que a espécie é uma das mais afetadas.

A guia de vida selvagem, Eduarda Fernandes, diz que nunca tinha visto nada do tipo. Neste sábado (19), integrantes da comissão criada no Senado para acompanhar a situação no Pantanal vão sobrevoar áreas destruídas no Mato Grosso. Os senadores querem que o vice-presidente Hamilton Mourão e os ministros do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e da Agricultura, Tereza Cristina, percorram a região. Mourão disse na sexta-feira (18) que pediu ao Ministério do Meio Ambiente um relatório sobre a capacidade operacional dos órgãos de fiscalização ambiental do Brasil.

Também nesta sexta-feira, Mourão reagiu à decisão do governo francês de se opor à versão atual do tratado comercial entre a União Europeia e o Mercosul após ter tido acesso a um novo relatório sobre desmatamento no Brasil. Segundo ele, a Guiana Francesa também tem registros de desmatamento e mineração ilegal. Mourão defendeu que o governo brasileiro use a diplomacia para mostrar aos países europeus que o acordo, anunciado em 2019, mas que ainda não entrou em vigor, será benéfico aos países dos dois blocos.

*Com informações da repórter Letícia Santini