Setor de bens e consumo lidera reclamações da Associação Brasileira de Defesa do Consumidor

De janeiro a agosto de 2020, a Proteste acumulou mais que o dobro das críticas registradas no mesmo período do ano anterior

  • Por Jovem Pan
  • 17/10/2020 09h56 - Atualizado em 17/10/2020 13h13
Felipe Rau/Estadão ConteúdoSetor de bens e consumo envolve alimentos, eletrônicos e eletrodomésticos

Envolvendo alimentos, eletrônicos e eletrodomésticos, o setor de bens e consumo lidera o número de reclamações registradas na Associação Brasileira de Defesa do Consumidor em 2020, com 32% dos casos. “Apenas de janeiro a agosto deste ano foram registradas mais de 21 mil reclamações, o que significa mais do que o dobro do número de reclamações registradas no mesmo período do ano passado. Antes da pandemia, a maior parte dessas reclamações dizia a respeito a problemas relacionados aos serviços de telecomunicações, mas neste período mais recente o setor que lidera essas reclamações é o setor de bens e consumo”, afirmou a diretora de relações institucionais da Proteste, Juliana Moya. Em plena pandemia, a área da saúde registra volume inferior ao habitual nos outros anos.

O aumento de reclamações relacionadas a este setor pode ter ligação com a mudança na forma de consumo durante a pandemia. Antes, menos pessoas compravam pela internet, o que mudou com as medidas de isolamento social. Muitas dessas pessoas, porém, não têm completa noção dos seus direitos nas compras online. “Da mesma forma, muitas empresas tiveram que se adaptar de forma muito rápida às vendas online, por isso é natural que surjam mais problemas e consequentemente mais reclamações também”, explicou Juliana. O canal Reclame, da Proteste, também recebeu volume expressivo de registros nas áreas de lazer, turismo e eventos, que também foram atingidas fortemente pela pandemia.

*Com informações do repórter Marcelo Mattos