Talibã confirma que mulheres poderão voltar às universidades em salas separadas

Segundo ministro do Ensino Superior, Abdul Baqi Haqqani, alunas terão que usar véu completo durante as aulas; Unesco alerta para risco de ‘catástrofe geracional’ com o recuo na educação do Afeganistão

  • Por Jovem Pan
  • 13/09/2021 07h45 - Atualizado em 13/09/2021 10h39
EFE / EPA / STRINGERSegundo o ministro, a decisão de separar homens e mulheres segue os princípios do Islã e respeito da tradição do grupo

O ministro do Ensino Superior do Talibã, Abdul Baqi Haqqani, confirmou neste domingo, 12, que as mulheres poderão frequentar as universidades no Afeganistão, mas separadas dos homens, com aulas mistas sendo proibidas. A demanda por educação é um pleito antigo das afegãs, sempre reprimidas pelos extremistas. Abdul exaltou a importância do ensino superior e disse que a reconstrução do país cabe às universidade. Segundo o ministro, a decisão de separar homens e mulheres segue os princípios do Islã e respeito da tradição do grupo. As alunas também deverão usar véu completo durante as aulas ou em ambientes divididos por cortinas. As novas regras preocupam reitores e organismos internacionais. Na semana passada, a Unesco alertou que o imenso progresso feito na educação do Afeganistão está em perigo com a volta do Talibã ao poder e falou sobre o risco de uma “catástrofe geracional”, que poderia afetar o desenvolvimento do país por anos.

*Com informações da repórter Caterina Achutti