Tebet diz que Ibama peca com o agronegócio ao ‘buscar pelo em ovos’

Para a senadora, há uma visão equivocada no mundo sobre a preservação ambiental brasileira

  • Por Jovem Pan
  • 05/10/2020 10h24 - Atualizado em 05/10/2020 10h33
Antonio Cruz/Agência BrasilA parlamentar defende que o governo mostre "que estamos lutando" pela preservação dos biomas

A senadora Simone Tebet (MDB) acredita que o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) peca com o agronegócio ao buscar “pelo em ovos” enquanto deixa uma “manada de elefantes passar”, em referência aos focos de incêndio no Pantanal. Em entrevista ao Jornal da Manhã, da Jovem Pan, nesta segunda-feira, 05, a parlamentar falou sobre a importância dos produtores rurais, sobre a visão global da preservação do meio ambiente e das ações do governo federal para controlar o fogo na região pantaneira.

“Os nossos leitos de água são leitos de fogo, estamos exterminando espécies e nossa biodiversidade ameaçada. Então buscamos somar esforços como alternativas, pedimos o apoio do ministro da Justiça que atendeu com agora força de segurança e o ministro [Ricardo Salles] se comprometeu a angariar recursos para possamos construir bases de apoio permanentes no Pantanal com a infraestrutura necessária”, comenta. Neste sábado, 03, um grupo de senadores acompanhou o ministro do meio ambiente em uma visita a região. O objetivo, segundo Tebet, era sobrevoar a área para “verificar o estrago”, que já a atinge uma área de quase três milhões de hectares de terra, espaço maior que o estado do Sergipe.

 

A senadora afirma que a ajuda do governo chegou “antes tarde do que nunca”, ressaltando intensos esforços dos parlamentares para conseguir o apoio federal. Entre as ações recentes citadas por Tebet está a portaria, publicada nesta segunda-feira pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública, que aprova o uso da Força Nacional para o combate ao fogo no Pantanal. Com a decisão, bombeiros irão intensificar as ações na região pelo período de 30 dias, podendo continuar por mais tempo caso necessário.

Ainda na entrevista, Simone Tebet afirmou que o mundo tem uma visão muito equivocada sobre a preservação ambiental no Brasil, reforçando que “somos o país que mais preserva no mundo”. Para ela, embora tenha “acabado essa história de que o agronegócio é o vilão do meio ambiente”, ainda há entendimento de que o país não se preocupa com questões ambientais e que os produtores, de alguma forma, estejam ligados com as queimadas e desmatamentos. “O mundo tem uma visão equivocada, é 0,1% que faz o estrago danado. Foi comprovado que apenas seis focos de incêndio do Pantanal foram criminosos no universo de milhares de produtores rurais. Então é a minoria da minoria”, afirma. “O Ibama peca muito do lado do agronegócio buscando pelo em ovos enquanto deixamos passar uma manada de elefantes. O grande problema não é só a seca, é na impunidade dos muito poucos que cometem delitos ambientais”, opina a senadora.

A parlamentar defende que o governo mostre “que estamos lutando” pela preservação dos biomas. “O que falta do governo é mostrar para o mundo que fizemos o dever de casa, que nós cuidamos, que estamos multando quando tem que multar, colocando na cadeia quem desmata a Amazônia, é isso que falta. Quando se nega a realidade que temos meia dúzia que queimam o Pantanal e a honradez dos produtores rurais e que desrespeitam a lei, é como se você estivesse dando uma permissão [para as queimadas ilegais]. Então acho que o governo precisa readequar essa narrativa para no ano que vem não ter cenas como a que nós presenciamos.”