Tesouro libera mais R$ 300 milhões para realização do Censo em 2022

Recursos vão sair do Fundo de Garantia de Exportação, que é coordenado pelo Ministério da Economia; Associação de Funcionários do IBGE acredita que a verba ainda é insuficiente

  • Por Jovem Pan
  • 16/10/2021 11h16
Licia Rubistein/Agência IBGE Notícias Censo demográfico foi realizado pela última vez em 2010

Tesouro libera mais recursos para o censo demográfico de 2022. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a Secretaria Especial do Tesouro e do Orçamento autorizou uma emenda ao projeto orçamentário de 2022 fixando o valor total do censo demográfica em R$ 2,292 bilhões. De acordo com ofício enviado à Advocacia-Geral da União (AGU), a Secretaria do Tesouro informou que é possível ampliar o orçamento do censo conforme demandado pelo IBGE e pelo parecer do Supremo Tribunal Federal (STF). Os recursos vão sair do Fundo de Garantia de Exportação (FGE), que é coordenado pelo Ministério da Economia. O censo é uma espécie de fotografia detalhada da sociedade brasileira. Ele não foi feito no ano passado, nem este ano por causa da pandemia do coronavírus.

O último censo foi realizado em 2010, mas o normal é que ele seja feito a cada dez anos. No orçamento original do IBGE, a demanda era de mais de R$ 3 bilhões. No entanto, o governo sinalizou inicialmente com R$ 2 bilhões e só agora autorizou um extra de quase R$ 300 milhões. Dione de Oliveira, representante da Associação de Funcionários do IBGE, disse à Jovem Pan, que a verba é de R$ 2,3 bilhões ainda é insuficiente e coloca em risco o censo do ano que vem. “R$ 2,3 bilhões, ainda se o iBGE conseguir, ainda deixa em risco o censo, porque somente R$ 2 bilhões era o valor designado pra pagar os trabalhadores temporários e supervisores”, diz Dione. Essa emenda E$ 300 milhões a mais precisa agora ser votada e aprovada pelo Congresso Nacional, mas o IBGE já tem o sinal verde do Poder Executivo, da Secretaria do Tesouro e do próprio Poder Judiciário, no caso o Supremo Tribunal Federal.

*Com informações do repórter Rodrigo Viga