RJ: Witzel diz que não teme possível delação de ex-secretário de Saúde

Edmar Santos foi preso na semana passada, ele é acusado de chefiar uma organização criminosa enquanto esteve no comando da secretaria

  • Por Jovem Pan
  • 15/07/2020 07h55 - Atualizado em 15/07/2020 08h49
Wilton Junior/Estadão ConteúdoAlém das suspeitas sobre as compras e contratações, o governador também enfrenta processo de impeachment na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj)

Em meio a rumores de possível acordo de delação premiada do ex-secretário da Saúde Edmar Santos com a Procuradoria-Geral da República, o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, afirmou que “jamais se desviou do caminho da lei”. Ele acrescentou, nas redes sociais, que não pode ser acusado de qualquer irregularidade sem provas e garantiu que tem o compromisso de governar o estado fluminense com ética e transparência.

Edmar foi preso na semana passada, ele é acusado de chefiar uma organização criminosa enquanto esteve no comando da secretaria estadual de saúde. Através de advogados, ele estaria negociando acordo com a PGR. O Ministério Público do Rio de Janeiro conseguiu a prisão de Edmar, mas como a Procuradoria já tinha uma investigação similar em andamento, a PGR deve liderar as apurações sobre as suspeitas de irregularidades nas compras do Rio de Janeiro para a Covid-19.

O material do Ministério Público ainda está sendo encaminhado à Procuradoria-Geral da República, portanto, não houve tempo para se homologar uma delação premiada. Além das suspeitas sobre as compras e contratações, o governador também enfrenta processo de impeachment na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) e tenta, por meio da sua defesa, impedir a continuidade do procedimento.

*Com informações do repórter Rodrigo Viga