Márcio Jerry diz que Júlia Zanatta só reclamou após ver imagem congelada: ‘Fuzilamento da minha biografia’

‘Minha vida é defender o protagonismo feminino na política’, declarou o parlamentar do PCdoB em entrevista ao Morning Show sobre denúncia de assédio na Câmara

  • Por Jovem Pan
  • 25/04/2023 12h36
Reprodução/Jovem Pan News Márcio Jerry Márcio Jerry foi o convidado do programa Morning Show

Nesta terça-feira, 25, o programa Morning Show recebeu o deputado federal Márcio Jerry (PCdoB-MA). Em entrevista, o maranhense se defendeu das acusações de assédio no caso envolvendo a parlamentar Júlia Zanatta (PL-PR). “Não é minha versão, são os fatos como eles são. Um plenário acalorado, muito debate e aglomeração. Eu posicionado numa fila, tinha havido vários debates muito duros naquele momento. Eu estava já me retirando para um lado congestionado e voltei por outro. Eu poderia ter gritado, gesticulado, achei que poderia fazer ali uma abordagem de colega parlamentar para colega parlamentar”, justificou. “Apareceu uma imagem congelada para alterar o significado dela própria. Em movimento, ela informa uma coisa, diferente da imagem congelada que sugere que eu fiz uma abordagem de assédio. Não teve assédio, não teve importunação, má educação ou fui invasivo. Naquele momento, se a deputada reclamasse, eu prontamente pediria desculpas. Não houve isso, somente no outro dia esse assunto voltou. Eu consegui a imagem em vídeo, descaracterizando aquela acusação descabida de assédio”, argumentou.

Jerry ainda acrescentou que possui boa relações com deputados de oposição na Câmara e afirmou que luta pelos direitos das mulheres desde o início de sua trajetória política. “Vários deputados da extrema-direita que brigam no Parlamento vêm a mim com uma relação de respeito, porque assim os trato. É da minha biografia, da minha vida. É fácil constatar que não há ali nenhuma atitude agressiva da minha parte. Se tem uma coisa que incomoda muito, essa atitude eu jamais cometeria em qualquer circunstância de assédio. Minha vida toda, desde os 15 anos que sou um militante de esquerda, com muito orgulho, é defender o protagonismo da presença feminino na política, da mulher nos espaços de poder. Defender os direitos humanos, defender o respeito”, disse. “Se tivesse havido o desrespeito, eu tenho a humildade suficiente [para assumir]. Foram acusações que desencadearam ameaças a mim, inclusive à minha integridade física. Uma onda de difamações, [para] tentar fazer o que eles chamam na internet de cancelamento de imagem, um fuzilamento da minha biografia”, concluiu.

Comentários

Conteúdo para assinantes. Assine JP Premium.