‘Chacina é o que aconteceu em SC, onde crianças foram mortas’, diz Ana Paula sobre operação no Jacarezinho

Comoção após ação da polícia civil que terminou com 28 mortos no Rio de Janeiro foi debatida por comentaristas do programa ‘Os Pingos Nos Is’

  • Por Jovem Pan
  • 10/05/2021 19h27 - Atualizado em 10/05/2021 20h20
JOSE LUCENA/THENEWS2/ESTADÃO CONTEÚDOComentaristas do programa "Os Pingos Nos Is" falaram sobre operação no Jacarezinho

O Partido Socialista Brasileiro (PSB) foi ao Supremo Tribunal Federal (STF) pedir que o governador do Rio de Janeiro, Cláudio Castro, seja intimado pela ação da polícia que terminou com 28 pessoas mortas na favela do Jacarezinho. A ideia do PSB é que o gestor comprove que não violou as ordens da Corte responsáveis por limitar operações em favelas. “Creio que a operação não tenha sido realizada em conformidade com a decisão do STF, por isso mesmo, será necessária uma rigorosa investigação e uma correspondente punição dos agentes policiais que cometeram excessos”, afirmou Carlos Siqueira, presidente nacional da sigla. Ao comentar a operação, o presidente Jair Bolsonaro criticou a mídia e a esquerda por igualar traficantes ao cidadão comum que respeita as leis. “Ao tratar como vítimas traficantes que roubam, matam e destroem famílias, a mídia e a esquerda os iguala ao cidadão comum, honesto, que respeita as leis e o próximo. É uma grave ofensa ao povo, que há muito é refém da criminalidade. Parabéns à Polícia Civil do Rio de Janeiro”, disse Bolsonaro nas redes sociais.

O presidente também prestou uma homenagem ao policial civil André Leonardo de Mello Frias, que morreu na operação, e pediu que Deus protegesse as pessoas de bem e “todos os guerreiros que arriscam a própria vida na missão diária de proteger a população de bem”. A comentarista do programa “Os Pingos Nos Is”, da Jovem Pan, Ana Paula Henkel, acredita que, “apesar do número de mortos elevado ser um número de bandidos, de traficantes, de criminosos”, a operação foi uma tragédia pela forma como foi retratada dentro e fora do Brasil. “Estamos cansados de ver, há décadas no Brasil, traficantes, cartéis das favelas, dos morros, das comunidades. Não custa a gente lembrar que a maior parte da população dessas comunidades é de gente boa, gente trabalhadora que infelizmente entra numa espiral de silêncio implementada por esses cartéis, eles exibem armas que às vezes nem o nosso exército tem, nem as nossas forças policiais têm. Os vídeos estão todos aí pela internet. Eles na verdade já podem ser considerados grupos de terrorismo nacional, uma vez que andam fortemente armados, usam a população como escudo, crianças, idosos, jovens, e a narrativa que está sendo muito bem implementada por sinal aqui [nos EUA] é de que a polícia é genocida, é racista e desrespeitou a ordem do Supremo Tribunal Federal”, afirmou. A comentarista lembrou que a operação teve apoio do Ministério Público e falou novamente que as comunidades que mais precisam de segurança são as que mais sofrem com a demonização dos policiais. Para ela, a “polemização” do caso não passa de uma espécie de demagogia. “Essa é a palavra: demagogia. Chacina é o que aconteceu na escola em Santa Catarina, onde duas professoras e três crianças foram assassinadas”.

Confira o programa “Os Pingos Nos Is” desta segunda-feira, 10, na íntegra: