‘Comunicação clara e incisiva ainda é fraca no governo Bolsonaro’, diz Ana Paula Henkel

Segundo a comentarista, discurso do presidente é ‘distorcido e vendido para a população com o objetivo de dar combustível para a oposição’

  • Por Jovem Pan
  • 18/01/2021 20h32
Jovem PanComentarista do programa Os Pingos nos Is, Ana Paula Henkel

Em meio a uma troca de farpas entre o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), e o presidente Jair Bolsonaro envolvendo a vacina contra a Covid-19, Doria fez mais um ataque na noite desta segunda-feira, 18. Na sua página oficial no Twitter, ele acusou o governo de “incompetência generalizada” e disse que Bolsonaro “voltou a ameaçar a democracia do Brasil”. “Sua índole autoritária tem o repúdio dos brasileiros de bem, que condenam sua tentativa de violar nossa Constituição. Cala-te Bolsonaro”, escreveu. O governador se referia a uma declaração dada mais cedo pelo presidente, que afirmou que as Forças Armadas são as responsáveis por decidir se há democracia ou ditadura em um país, além de sugerir que, no Brasil, foram “sucateadas” como parte de um objetivo de implementar o regime  socialista. A comentarista Ana Paula Henkel, do programa Os Pingos nos Is, da Jovem Pan, afirmou que um dos lados “muito fracos” do governo é, ainda, “a falta de uma comunicação clara, assertiva e incisiva”.

“Único cuidado que o governo tem que ter, que ainda é um lado muito fraco, é a comunicação clara, assertiva e incisiva. A comunicação é falha. Eles tem que cuidar assuntos que podem deixar alguma ponta aberta para que a narrativa da oposição pegue essa ponta e enrole de uma maneira pertinente, e use para minar um governo que até agora tem os seus defeitos, mas que no grande esquema tem sido muito positivo, principalmente dentro de uma pandemia. Vimos que poderia ser muito pior”, afirmou Ana Paula.

“O que eu acho que precisa ser um terreno muito bem elaborado e pensado pelo governo é o da comunicação, porque durante quatro anos nos Estados Unidos e dois no Brasil vimos que qualquer qualquer declaração desses presidentes [Trump e Bolsonaro] são usadas distorcidas e vendidas para a população aquilo que não foi, ou foi dito, mas que a grande mídia dá a interpretação que cabe, com o objetivo de dar combustível para a oposição e ver mais um impeachment no cenário brasileiro”, continuou. A comentarista questionou, ainda, os pontos levantados pelo governador: “Medidas autoritárias? Que medidas autoritárias? É uma declaração mula sem cabeça… Brasileiros de bem? Que brasileiros? Haddad, Gleisi Hoffmann, Rodrigo Maia, a turma que ele [Doria] anda de mãos dadas.”

Assista ao programa na íntegra: