Ficarão na história os que interditaram criminosamente o debate sobre tratamento imediato, diz Fiuza

Comentaristas do programa ‘Os Pingos Nos Is’ analisaram carta escrita pela viúva de Anthony Wong

  • Por Jovem Pan
  • 24/09/2021 19h45 - Atualizado em 24/09/2021 21h04
REUTERS/George Frey/File PhotoAnthony Wong se tratou com kit covid, que inclui cloroquina

A esposa do médico Anthony Wong, Carla Von Gabriel Wong, afirmou que o marido testou positivo para Covid-19 e morreu após uma infecção generalizada. Em uma carta divulgada com exclusividade pelo programa “Os Pingos Nos Is“, da Jovem Pan, Carla falou sobre o quadro médico do marido, contou que ele tomou medicamentos como cloroquina e afirmou que a família avalia tomar medidas jurídicas cabíveis pela divulgação não autorizada do prontuário e certidão de óbito. Uma reportagem da Revista Piauí, publicada nesta semana, teve acesso aos documentos e revelou a informação de que a morte foi decorrente de complicações causadas pela Covid-19. A publicação aponta que o Hospital Sancta Maggiore, da rede Prevent Senior, onde ele estava internado, omitiu a informação.

Para Guilherme Fiuza, comentarista do programa “Os Pingos Nos Is”, há falta de empatia na exposição do prontuário. “É um ambiente terrível de falta de empatia, cinismo, falta de comiseração com quem sofre, fingindo que defendem vidas”, disse. “Quem vai ficar na história como aqueles que fizeram experimentos fora da democracia, que solaparam os direitos à liberdade e à saúde são vocês que interditaram violenta e brutalmente o debate sobre o tratamento imediato. Quem ficará na história como anticiência são os que interditaram criminosamente o debate sobre uma experiência clínica importante”, opinou.

Assista ao programa “Os Pingos Nos Is” desta sexta-feira, 24, na íntegra: