‘Nenhum arrependimento’, diz Doria sobre tweet em que cita Lula

Para o governador, ‘não é hora de alimentar antagonismos’

  • Por Jovem Pan
  • 06/04/2020 19h51
Roberto Casimiro/Estadão ConteúdoMais cedo, Doria anunciou que a quarentena em SP foi prorrogada até o dia 22 de abril

“Nenhum arrependimento”, afirmou em entrevista ao Os Pingos nos Is nesta segunda-feira (6) o governador de São Paulo, João Doria, sobre o tweet que republicou na semana passada do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Na ocasião, o petista reconheceu o trabalho feito pelo Estado no combate ao novo coronavírus.

“Não podemos alimentar antagonismos. Diante de uma guerra, não adianta ficar discutindo disputas do passado ou presente. Tenho diferenças enormes com o Lula, assim como outros que o sucederam, como Dilma Roussef. Mas não é hora de antagonismos”, explicou Doria.

Desentendimentos com Bolsonaro

O governador vem trocado farpas com Jair Bolsonaro nas últimas semanas, principalmente em relação às medidas de restrições, já que o presidente tem se colocado contra o isolamento social, enquanto Doria defende a quarentena.

Segundo ele, esta é uma recomendação baseada em um monitoramento feito de 146 países do mundo que tem casos de Covid-19. Todos eles adotaram o afastamento social. “Até o [Donald] Trump [presidente dos Estados Unidos], que tinha uma visão muito semelhante a de Bolsonaro, mudou radicalmente”, exemplificou Doria, que admitiu que “não é fã” do norte-americano, mas “reconhece que ele teve humildade em reconhecer o erro”.

“Lamento que ele [Bolsonaro] insista nisso, altere seu tom de voz, faça manifestações ruidosas e pouco elegantes. Temos que estar nessa juntos para encontrar caminhos que salvem os brasileiros. Temos que ter grandeza e coração aberto”, ressaltou o governador.

“Não estou aqui para ser antagonista do Bolsonaro, mas sim para defender 46 milhões de brasileiros e estrangeiros que vivem em São Paulo. Para eles serem protegidos de forma adequada. Nessa situação, quem formula errado é o Bolsonaro”, completou.

Mais cedo, Doria anunciou que a quarentena em SP foi prorrogada até o dia 22 de abril.