Agronegócio não precisa de desmatamento ilegal para avançar, diz Xico Graziano

O agrônomo participou do Pânico nesta segunda-feira (27) e também falou sobre as diferenças entre alimentos orgânicos e convencionais

  • Por Jovem Pan
  • 27/07/2020 13h59
Jovem PanXico Graziano participou do Pânico nesta segunda-feira (27)

O agrônomo Xico Graziano disse, em entrevista ao Pânico, da Jovem Pan, nesta segunda-feira (27), que o agronegócio não precisa de desmatamento ilegal para avançar. Segundo ele, isso é coisa da “direita babona”. “A direita babona acha legal desmatar a Amazônia, um ruralismo atrasado, antigo, vagabundo”, afirmou. “Não precisamos fazer desmatamento ilegal para avançar o agronegócio brasileiro”, continuou.

Graziano achou positiva a iniciativa do vice-presidente Hamilton Mourão de comandar o Conselho Nacional da Amazônia Legal. Mourão tem se reunido com empresários, governadores e outras pessoas importantes do poder público para discutir ações de proteção da floresta. “Como é uma agenda que envolve outros governadores e pastas, acho razoável que o vice-presidente assuma isso”, disse o agrônomo, brincando que o vice-presidente “fica procurando o que fazer” porque “não faz nada”.

O político ainda defendeu a participação de ONGs na discussão ambiental. “Não tenho problema nenhum com ONG”, garantiu Xico. “A participação da sociedade nos destinos da política, especialmente ambiental, é fundamental”, continuou. Ele, no entanto, reconheceu que algumas dessas organizações são cabides de empregos e, às vezes, recebem muito dinheiro público.

Agrotóxicos

Ainda na entrevista, Xico Graziano falou sobre o uso de agrotóxicos na agricultura. Ele afirmou que o Brasil tem uma legislação avançada sobre o assunto e que os alimentos orgânicos, sem os defensores agrícolas, não são melhores que os convencionais. “O alimento orgânico e convencional, ambos são bons e ambos podem ser péssimos”, explicou. “O orgânico ser melhor que o convencional é um baita de um mito”, disse, ressaltando que “não há uma clareza da explicação” sobre o recente movimento de promoção de alimentos orgânicos.

O agrônomo acredita que a defesa dos alimentos orgânicos é uma pauta elitista. “A elite da sociedade mundial pensa no alimento saudável e puxa essa agenda, o que é muito legal”, disse. “Mas esse movimento acabou desencadeando um processo que passou a ser crítico ao alimento convencional, como se ele fosse ruim em comparação ao que eles queriam promover”, criticou. “O maior problema que eu vejo é desinformação. Falta informação correta sobre os assuntos”, lamentou Xico Graziano.