Secretário de Transportes de SP diz que Covas não avisou o estado sobre rodízio

  • Por Jovem Pan
  • 08/05/2020 14h07
FELIPE RAU/ESTADÃO CONTEÚDOSão Paulo terá ampliação do rodízio de veículos a partir de segunda-feira (11)

O Secretário de Transportes do Estado de São Paulo, Alexandre Baldy, afirmou, em entrevista ao Pânico nesta sexta-feira (8), que o prefeito de São Paulo, Bruno Covas, não avisou o governo do estado sobre o rodízio de circulação de carros na cidade. A decisão busca frear o surto do novo coronavírus na capital.

A medida começará a valer nesta segunda-feira (11) e vai restringir a circulação de veículos com placas com final par ou ímpar de acordo com a data. Baldy lembrou que a decisão vai impactar diretamente os transportes metropolitanos, como Metrô, CPTM e EMTU.

“A prefeitura não comunicou antecipadamente, não permitiu planejar com antecedência”, admitiu Baldy. Mesmo assim, ele prometeu que o governo do estado fará o melhor para atender a população.

Segundo o secretário, o Metrô transportou cerca de 835 mil passageiros nesta quinta-feira (7), quando a média antes da quarentena era de quase 4 milhões. Os trens da CPTM tiveram cerca de 850 mil usuários – o número normal é de 3 milhões.

Com a decisão da prefeitura de São Paulo, o governo espera aumento de até 30% na demanda pelo transporte público. “Temos condição de aumentar [a operação] e na segunda-feira estaremos preparados”, prometeu Baldy.

Apesar de ressaltar que os prefeitos têm o direito de tomar decisões sobre a circulação de pessoas nos municípios, Alexandre Baldy disse que seria melhor se Bruno Covas tivesse coordenado a ação com o governo do estado.

“É uma ação que a prefeitura fez sem ter nos consultado”, reforçou. “Não vimos nenhum estudo [que justifique a decisão], não fomos consultados, mas temos que respeitar e fazer de tudo para atender a população”, afirmou o secretário. “Ela tinha que ser discutida, analisada e ouvida por todos nós.”