Allan dos Santos comenta pedido de extradição: ‘Não fui notificado, fiquei sabendo pela imprensa’

Em entrevista ao Pânico, o jornalista afirmou que investigação da qual é alvo é uma ‘avalanche de mentiras’: ‘Qual é o meu crime? Falar e ganhar dinheiro como jornalista’

  • Por Jovem Pan
  • 22/11/2021 15h50
Reprodução/PânicoO jornalista Allan dos Santos foi o convidado do programa Pânico desta segunda-feira, 22

Nesta segunda-feira, 22, o programa Pânico recebeu o jornalista Allan dos Santos. Em entrevista, ele, que teve prisão preventiva decretada pelo ministro do STF Alexandre de Moraes, afirmou não ter sido notificado sobre o andamento do inquérito no qual é investigado. “Até o presente momento, eu não fui notificado de nada, tudo que eu sei é por meio da imprensa. Inclusive, meus advogados não têm acesso aos autos, a não ser quando a assessoria oficial e não oficial atua. Só sei por parte da imprensa. Um pedido de extradição sem pé nem cabeça, sem fundamentação jurídica nenhuma, absolutamente sem nenhum fato criminoso. Um amontoado de citação do código penal dizendo que preciso ser investigado mais, para além de um ano depois de primeira e segunda busca e apreensão, quebra de sigilo bancário, quebra de sigilo telemático. Depois de tudo isso, diz então a autoridade policial que eu preciso ser investigado mais ainda.”

O jornalista ainda comparou o seu pedido de extradição com o inquérito do traficante André do Rap. Segundo Allan, a investigação de seu processo é baseada em mentiras e calúnias das quais não consegue se desvincular sozinho. “O Alexandre de Moraes, segundo a imprensa, diz que eu sou uma pessoa absolutamente perigosa no Brasil, mais perigosa que o André do Rap e aquele índio que matou um jovem de 16 anos, triturou o coração e o fígado do garoto. Qual é o meu crime? Falar e ganhar dinheiro como jornalista. Uma avalanche de mentiras, calúnias e difamações que uma pessoa sozinha é impossível de conseguir desfazer.”

Allan ainda usou palavras do ex-ministro Marco Aurélio Mello para criticar os embasamentos do inquérito das fake news. Exilado nos Estados Unidos, ele afirma que não consegue explicar para os americanos os motivos de seu pedido de prisão. “O inquérito absolutamente louco e insano, nas palavras do próprio ex-ministro Marco Aurélio, o inquérito do fim do mundo, no qual a vítima é o acusador e ao mesmo tempo juiz, e não há um processo. Aqui nos Estados Unidos, eu tenho uma dificuldade enorme em explicar para jornalistas, porque não fui indiciado, não houve um julgamento e pediram minha extradição.”

Confira na íntegra a entrevista com Allan dos Santos: