"A gente não transava em motel, mas dentro do carro para não gastar", diz Taiana Camargo

  • Por Jovem Pan
  • 30/01/2015 13h49
Amanda Garcia / Jovem Pan

Capa da revista Playboy, a ex-amante do doleiro Alberto Youssef disse que se considerava muito mais que “a outra” do operador do Petrolão.  “Nunca me coloquei no lugar de amante, eu me sentia como namorada. Eu estava no dia- a-dia”, disse Taiana Camargo. A jovem ainda acrescentou que os primeiros momentos com Youssef  não foram tão luxuosos assim. “A gente não transava em motel, mas dentro do carro para não gastar”, disse, falando que passou um ano “empurrando” um Passat de 1997.

Crescida em Fortaleza e moradora de São Paulo, Taiana abrigou o doleiro na casa dela, já que ele é de Curitiba, onde morava com a esposa.  O relacionamento durou seis anos. “(Ficamos juntos) dos (meus) 24 (anos) aos 30”, relatou. “Ele não me queria não, eu que o seduzi. Eu insisti”, revelou ao programa de Emílio Surita. O casal foi apresentado através de uma amiga em comum.

Após descoberto envolvimento de  Yousseff com o escândalo de corrupção na Petrobrás, Taiana disse ter sido ameaçada, mas não revelou por quem e o motivo. “Eu não me arrependo, mas eu não faria de  novo. Não vale a pena ser a outra, hoje eu pago um preço muito alto por tudo que  aconteceu”, falou.

Quando o relacionamento entre os dois começou, Taiana disse que Vargas negou trabalhar com atividades obscuras na política, o que já havia lhe rendido complicações com a Justiça em 2003.  “Eu não sabia, ele disse que a atividade de doleiro era uma atividade do passado”, disse.

Sobre as fotos na Playboy, a morena comentou que são importantes por causa do dinheiro e que pretende se virar sozinha. “Eu fiz por causa do dinheiro, mas antes eu nunca tinha posado ou feito fotos sensuais”.