Monark critica fim de patrocínio após declarações: ‘Nota mentirosa para o Brasil todo’

Em entrevista ao Pânico, youtuber afirmou que há uma força para impedir a liberdade de expressão nas redes sociais: ‘Patrulha ideológica distorce coisas para criar uma polêmica’

  • Por Jovem Pan
  • 05/11/2021 16h12 - Atualizado em 08/11/2021 16h26
Reprodução/ PânicoMonark foi o convidado do programa Pãnico desta sexta-feira, 5

Nesta sexta-feira, 5, o programa Pânico recebeu o youtuber Monark, do Flow Podcast. Criticado nas redes sociais por postagens sobre liberdade de expressão e racismo, o influenciador digital afirmou não ter se incomodado com a perda de patrocinadores do programa, mas sim com a nota emitida para justificar a quebra de contrato. “Não tem problema o iFood cancelar o patrocínio. Qualquer empresa que quiser cancelar, cancele. O problema foi a nota mentirosa lançada para o Brasil todo associando o Flow a racismo. Me rotulou, a gente está avaliando. Já sou visto como não quisto por uma galera da lacração, como já estou no alvo, eles já estavam esperando isso. Quando perceberam isso, chamaram toda a turma, causando uma comoção muito forte.” Procurada pela Jovem Pan, a assessoria do iFood afirmou que a nota de encerramento do patrocínio não acusa ninguém, mas sim reforça o posicionamento da empresa. 

Monark ainda disse que as redes sociais são um espaço público, e que seus posicionamentos políticos são distorcidos para criar polêmicas. “Está havendo uma força para impedir que falemos, para colocar a regra do politicamente correto para ser aceito na sociedade. Os caras querem que eu não possa falar, a gente vai ser tolerante a isso? A gente cada vez mais tem que provocar esses caras. o Twitter não é de vocês, é da rede pública, é uma praça. A liberdade de expressão é uma das questões mais importantes da nossa época. Eles querem passar leis, criar ambientes e culturas para que o controle volte para eles. É isso que está acontecendo. Eu considero uma patrulha ideológica, pegaram algumas coisas e distorceram para criar uma polêmica. Transformam  liberdade de expressão como se fosse racismo.”

Para ele, o cancelamento da internet impede que indivíduos sintam-se livres para errar e aprender com seus erros. “Parece que tem muitos snipers na minha mira, tem uma galera que fica analisando tudo o que eu falo no Twitter, pensando como esperando pegar o que falei e distorcer para parecer que falei uma merda. (…) O que aconteceu comigo é o sintoma de uma doença, a gente não consegue mais conversar. É chamar pessoas que você discorda, sentar juntos, se dispor a ouvir quem você não concorda, dar o braço a torcer para quem falou, saber que às vezes ele tem uma solução. A gente tem que permitir que as pessoas possam cometer erros e falar coisas que possam ser consideradas preconceituosas. Se o cara não tem essa liberdade de errar, como a sociedade vai corrigir?”, questiona. A Jovem Pan procurou o iFood, mas não recebeu a resposta até a publicação desta reportagem

Confira na íntegra a entrevista com o Monark: