Em entrevista à Jovem Pan, Adriane Galisteu lamenta morte de Jô Soares: ‘Coração dilacerado’

Apresentadora exaltou a generosidade do humorista, mas disse achar que todos perderam um pouco de Jô após a morte de seu filho, em 2014

  • Por Jovem Pan
  • 05/08/2022 10h01 - Atualizado em 05/08/2022 13h13
Reprodução/Instagram/galisteuoficial/26.10.2021 Adriane Galisteu Apresentador era vizinho de Galisteu e foi descrito pela atriz como uma pessoa generosa

A apresentadora e atriz Adriane Galisteu lamentou a morte de Jô Soares e disse estar com o “coração dilacerado”. Em entrevista exclusiva à Jovem Pan, Galisteu disse ter tido sorte de cruzar com Jô em sua vida e exaltou a generosidade do apresentador. “Fiquei arrasada, com o coração dilacerado. Tive o privilégio da minha história e da minha via cruzarem com a dele. A gente é vizinho há 20 anos. Eu moro no nono andar e ele no décimo. Eu estava comentando com o meu filho, como é que o mundo vai ficar sem o Jô, como que a gente vai ficar sem o Jô? Ele era um homem extremamente generoso, tanto como diretor quanto como ser humano. Quem não teve a chance de conviver, não tinha noção do tamanho do coração do Jô. Para ensinar, como diretor, ele era extremamente generoso. E na vida, era um homem espetacular. É uma presa gigante para o Brasil todo. […] Quem conheceu o Jô pessoalmente tem um baque ainda maior pelo brilhantíssimo ser humano que ele é”, disse Galisteu.

Em sequência, Galisteu falou sobre o apresentador na pandemia, ressaltando que, mesmo sendo vizinhos, ela não o viu durante o período e que Jô não quis ler roteiro para uma produção em que ambos estavam trabalhando de maneira online. A apresentador também disse que sente que todos perderam um pouco do Jô quando seu filho Rafael morreu. “Ele realmente amava o Brasil, amava viver. Na minha opinião, depois da morte do filho dele, a gente perdeu um pouco do Jô. Nós que temos filhos sabemos, a gente não tá preparado para essa desordem que acontece de vez em quando. Depois da morte do filho, ele ficou mais recluso e a gente passou a se ver menos”, afirmou Galisteu. O apresentador morreu na madrugada desta sexta-feira, 5, aos 84 anos, no hospital Sírio Libanês, em São Paulo.