‘Parece premeditado’, diz advogado de vocalista do Molejo sobre MC Maylon guardar cueca ‘suja’ por um mês

Para a defesa do MC, Anderson só mudou versão após ‘prova incontestável’; caso de estupro é investigado pela Polícia Civil do Rio e envolvidos devem passar por uma acareação

  • Por William Amorim
  • 14/02/2021 10h55 - Atualizado em 14/02/2021 12h11
Reprodução/Instagram/mcmaylonoficialAnderson Leonardo está sendo acusado de estupro por MC Maylon

A acusação de estupro feita por Maycon Douglas Pinto do Nascimento Adão, conhecido artisticamente como MC Maylon, contra o vocalista do grupo Molejo, Anderson Leonardo, foi parar na Justiça e a denúncia está sendo investigada. Para entender detalhes desse caso que ganhou repercussão nacional, a Jovem Pan conversou com os advogados Fêh Oliveira, que representa Maycon, e Ivo Peralta, que faz a defesa do artista. A aproximação de Anderson com o MC aconteceu por causa da música e, segundo relatado por Fêh, o cantor do Molejo fez uma promessa de agenciamento artístico a Maycon com sua família presente. Já Ivo declarou que seu cliente foi abordado pela mãe de Maylon enquanto ele jogava futebol com os amigos e foi ela quem pediu ao artista para dar uma atenção ao trabalho do filho dela. “Maylon passou a frequentar as apresentações artísticas de Anderson, buscando ser visto e ter oportunidade de mostrar o seu trabalho. Anderson jamais prometeu nada”, afirmou o advogado.

O dia em que teria acontecido o estupro também possui versões distintas. A defesa de Maycon contou que ele foi levado ao motel achado que iria para um local em que discutiria sobre sua carreira com o cantor. “Anderson disse a ele que se tratava de uma reunião profissional para discutir o retorno do MC aos palcos”, afirmou Fêh. O artista nega que isso tenha acontecido. “Maylon dizia que queria ter relações com Anderson há meses. No dia 11 de dezembro, pela tarde, eles combinaram de se ver e foram ao motel. Tudo consensualmente”, disse o advogado do vocalista do Molejo. Após negar o envolvimento com Maycon, o cantor confirmou em uma live que teve relação sexual com o MC de 21 anos, mas enfatizou que não foi nada forçado. “Foi uma única vez. Era um relacionamento normal, ou seja, entre dois amigos. Eles se relacionaram amorosamente com consentimento. Fato que facilmente comprovado pelas imagens e vídeos do MC Maylon em rede sociais, visto que a todo tempo se demonstra feliz e dançando, indo a shows do Anderson e de outros artistas, não parecendo em momento algum estar triste ou deprimido”, comentou Ivo.

Após Maylon formalizar a denúncia, o caso de estupro passou a ser investigado pela Polícia Civil do Rio de Janeiro e, na última terça-feira, 9, foi divulgado em nota oficial que o laudo da perícia identificou “resíduos de sangue e de esperma” na roupa da vítima. “A perícia favorável comprova a boa fé do MC, que não entrou em contradição em nenhum momento da investigação policial, confirmando todas as suas alegações. Diverso do cantor Anderson que em um primeiro momento negou tudo e diante da prova incontestável mudou de versão”, enfatizou Fêh. Para o advogado de Anderson, a cueca “não faz a menor diferença” no caso, já que o cantor “já declarou que houve penetração consensual”. “Uma pessoa guardar uma cueca supostamente suja por mais de um mês é muito estranho. Nos parece algo premeditado”, declarou Ivo.

O caso é investigado e novos depoimentos estão sendo colhidos. A defesa de Maycon disse que eles estão aguardando a acareação, que é quando os envolvidos no processo são colocados frente a frente para prestar depoimento. “O MC Maylon já recebeu apoio da Secretaria de Direitos Humanos do Governo do Rio para esse importante momento da investigação policial, na qual as partes serão confrontadas sobre as divergências relativas ao caso”, explicou Fêh, que acrescentou que seu cliente “se sente envergonhado com a devassa que tem sido feita em torno de sua vida” e afetado com todo o preconceito que vem sofrendo devido a essa exposição. O advogado de Anderson também comentou sobre os danos que a série acusação está causando na carreira do artista: “Isso é ruim para a imagem do cantor, uma vez que ele possui uma carreira com quase 35 anos de história. Contudo, ‘mentira tem perna curta’, e logo toda a verdade será esclarecida”. Caso seja condenado, o vocalista do Molejo pode pegar até 10 anos de reclusão.