Disney é cobrada a explicar participação do governo da China na produção de ‘Mulan’

Legisladores dos EUA escreveram carta ao CEO da gigante de entretenimento pedindo esclarecimentos

  • Por Jovem Pan
  • 13/09/2020 10h47
DisneyYifei Liu, a protagonista de "Mulan", também foi alvo de polêmica

Um grupo bipartidário de legisladores dos Estados Unidos enviou uma carta ao CEO da Disney, Bob Chapek, cobrando respostas a respeito de polêmica envolvendo o remake live-action de “Mulan”, que estreou na plataforma de streaming Disney+. A carta exigiu esclarecimentos do envolvimento do governo chinês na produção do longa e o quando a gigante de entretenimento esteve ciente das supostas violações de direitos humanos em regiões onde ele foi filmado. Depois do lançamento de “Mulan”, alguns espectadores apontaram agradecimento nos créditos a várias organizações governamentais em Xinjiang, no nordeste da China. Desde 2018, informações dão conta de que o governo chinês deteve muçulmanos em espécie de campos de concentração e os sujeitaram a tortura e outros abusos.

“A aparente cooperação da Disney com representantes do partido chinês que são responsáveis por cometerem atrocidades – ou por acobertarem esses crimes – é algo extremamente perturbador”, escreveram os legisladores. A carta clamou para que a Disney detalhe uma explicação da associação e cooperação com o governo chinês com o estúdio.

Esta não é a primeira polêmica que cerca a produção. As redes sociais puxaram um boicote ao filme depois de sua estrela, a protagonista Yifei Liu, compartilhar mensagens de apoio à polícia de Hong Kong, que vem sendo notoriamente acusada de brutalidade contra protestantes pró-democracia no local. “Mulan”estreou nos cinemas chineses na sexta-feira, tendo uma arrecadação de bilheteria aquém do esperado nos dois primeiros dias. Não há como saber se as controvérsias tiveram impacto financeiro, mas a pirataria também pode ser um fator.