Musical ‘Silvio Santos Vem Aí’ aposta em nostalgia para resgatar imagem do camelô que virou empresário

Espetáculo, que está em cartaz em São Paulo, transporta o público para o auditório de programas como ‘Topa Tudo por Dinheiro’ e ‘Qual é a Música?’ e se esquiva de atuais polêmicas

  • Por William Amorim
  • 23/10/2021 10h00
Divulgação/Andy SantanaVelson D’Souza vive o dono do SBT no musical 'Silvio Santos Vem Aí'

Silvio Santos marcou gerações, e sua relevância na história da televisão brasileira é evidente. No entanto, a imagem do popular apresentador que joga dinheiro para a plateia foi comprometida nos últimos anos por falas consideradas preconceituosas, que foram disparadas em seu programa dominical e repercutiram nas redes sociais, gerando acusações que vão de racismo a homofobia. Mesmo sem ter sido criado com essa pretensão, o musical “Silvio Santos Vem Aí”, que está em cartaz no 033Rooftop, em São Paulo, consegue abafar as polêmicas do comunicador, de 90 anos, e resgatar a história do menino camelô que se tornou dono do SBT, uma das maiores emissoras do Brasil. A trama não segue uma ordem cronológica, o que torna o enredo do espetáculo interessante (até porque são décadas de história e, dessa forma, foi possível transitar pelos momentos chave da vida do empresário sem a preocupação de pular algum fato).

Para justificar a falta de linearidade, a estratégia foi fazer o próprio Silvio revisitar seu passado. Em 1988, o apresentador descobriu que ficaria fora do ar para realizar uma cirurgia nas cordas vocais, e é justamente esse o ponto de partida do musical. Enquanto está no centro cirúrgico, o “Homem do Baú” embarca nessa viagem ao passado e sua história passa a ser contada por meio de programas do SBT que marcaram gerações. Silvio fala dos seus sonhos, por exemplo, participando do “Porta da Esperança”, que, no espetáculo, é apresentado por Hebe Camargo (Daniela Cury). O “Topa Tudo por Dinheiro” é comandado por Gugu Liberato (Vinícius Loyola), e o dono do Baú expõe os limites da sua ambição. Já o encontro com Maria Aparecida Vieira Abravanel, primeira esposa do empresário que morreu aos 39 anos, vítima de câncer, acontece no “Namoro na TV”. Em meio a essa viagem no tempo, um dos momentos mais divertidos fica por conta do “Qual é a Música?”, que homenageia cantores como Sidney Magal, Gretchen, Rosana e Mara Maravilha.

O espetáculo evidencia que, desde a infância, quando era conhecido como Senor Abravanel, o apresentador tinha o dom de fazer dinheiro. Entretanto, o que mais empolga o público não é a história de superação, mas a nostalgia que o musical causa. A sensação é que você está, de fato, com sua caravana no auditório dos programas – até pompons são distribuídos para a plateia. Interativo, o show demanda energia da público. Aplausos, vaias e pompons balançando são solicitados a todo momento. A participação de quem está assistindo define o calor da apresentação.

Um dos maiores desafios fica a cargo de Velson D’Souza, protagonista do espetáculo. Isso porque fazer Silvio pode parecer fácil, já que existem diversos imitadores, mas interpretar o apresentador sem parecer caricato não é para qualquer um. O espetáculo se vende como uma comédia musical, mas o empresário aparece vulnerável em muitas cenas. Além disso, outras facetas do reservado dono do SBT são exploradas. Já imaginou, por exemplo, Silvio tietando alguém? Ele faz isso quando conhece seu ídolo, Manuel de Nóbrega. Velson consegue trazer naturalidade às situações que um dos maiores ícones da TV viveu fora das câmeras, isso sem deixar o tom característico do apresentador de lado. O que falta é um grande solo musical, pois seria interessante ver o Silvio de Velson soltando a voz.

A trilha sonora do espetáculo é basicamente formada pelas músicas tocadas nos programas do dono do SBT – como Silvio Santos Vem Aí, A Pipa do Vovô e a canção que anunciava os jurados do “Show de Talentos”. Por falar em jurados, a figura rabugenta de Pedro de Lara ganhou um ar cômico na interpretação de Ivan Parente. O personagem é muito bem explorando em todo o espetáculo, assim como Aracy de Almeida, vivida por Juliana Bógus. Quem também ajuda a costurar as passagens de cenas do musical é o talentoso Adriano Tunes, que mostra que o humor simples da Velha da Praça, que entendia errado o que as pessoas falavam, ainda consegue arrancar gargalhadas. “Silvio Santos Vem Aí” foi escrito por Marília Toledo e Emílio Boechat e dirigido por Fernanda Chamma e Marilia Toledo.

Serviço

  • Local: 033Rooftop (cobertura do Teatro Santander)
  • Vendas: sympla.com.br
  • Horários: Sextas-feiras, às 20h30; sábados, às 15h30 e às 20h30; domingos, às 15h e às 20h
  • Ingressos: Setor VIP R$ 180,00 e Setor 2 R$ 75,00 (meia-entrada disponível)
  • Duração: 2 horas e 15 minutos (com 15’ de intervalo)