Presidente do Corinthians, Paulinho, Jô e outros jogadores também sofreram ameaças

Após o caso envolvendo o goleiro Cássio, a assessoria do Alvinegro confirmou que outros atletas também receberam mensagens de intimidação

  • Por Jovem Pan
  • 08/04/2022 12h14 - Atualizado em 08/04/2022 12h48
ANDRÉ ANSELMO/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO paulinho; corinthians Paulinho durante partida do Corinthians

Após o caso envolvendo o goleiro Cássio, ameaçado de morte por um perfil no Instagram, o Corinthians informou que outros jogadores também receberam ofensas através das redes sociais, como o zagueiro Gil, o lateral-esquerdo Fábio Santos, o meio-campista Paulinho e o atacante . Em meio ao momento turbulento do Timão na temporada, até o presidente do clube, Duílio Monteiro Alves, foi alvo de mensagens intimidadoras. De acordo com a assessoria do Alvinegro, no entanto, diversas contas foram responsáveis pelos ataques virtuais.

No caso de Cássio, que também teve sua esposa ameaçada, existe a possibilidade do goleiro deixar o Corinthians, conforme informou o repórter Caíque Silva, do Grupo Jovem Pan. Apesar disso, todos os atletas participaram das atividades promovidas pelo treinador Vitor Pereira nesta sexta-feira, 8. Depois da queda na semifinal do Campeonato Paulista e a derrota na estreia da Copa Libertadores da América, o elenco corintiano visa a rodada de abertura do Brasileirão. No próximo domingo, 10, a equipe paulista enfrenta o Botafogo, no Estádio Nilton Santos, a partir das 16 horas (de Brasília). Através das redes sociais, o Glorioso informou que todos os ingressos para o embate foram comercializados.

O clima do Corinthians é de muita tensão. Antes da ameaça ao goleiro Cássio, a Gaviões da Fiel e outras torcidas organizadas se reuniram com o plantel no CT Dr. Joaquim Grava, na manhã da última quinta-feira. Em nota publicada hoje, a principal uniformizada do Timão negou qualquer relação com o episódio envolvendo o arqueiro. “Os Gaviões repudiam qualquer ato de covardia e também as ameaças feitas ao goleiro Cássio e sua família, e está colaborando com as autoridades competentes para que o caso seja apurado e esclarecido. A conversa que tivemos não tem nada a ver com isso. Nós só fizemos a parte que nos cabe que é a de ser o órgão fiscalizador do Corinthians”, diz um trecho do texto.