Ex-Palmeiras, Deola ironiza CoronaVac após teste de Doria e recebe críticas

Primeiro substituto de Marcos no Palmeiras, ele entrou nos assuntos mais comentados do Twitter não por uma atuação de gala, mas por um comentário sobre a vacina contra a Covid-19; entenda

  • Por Jovem Pan
  • 16/07/2021 11h10 - Atualizado em 16/07/2021 16h39
Reprodução/Instagram/@deola_22Deola (à esquerda) foi goleiro do Palmeiras por 16 anos e substituiu Marcos depois da aposentadoria do ídolo

Primeiro substituto de Marcos no Palmeiras, Deola entrou nos assuntos mais comentados do Twitter não por uma atuação de gala, mas por um comentário sobre a vacina contra a Covid-19. Na rede social, o ex-goleiro do Verdão ironizou a eficácia da CoronaVac após o governador João Doria (PSDB) anunciar que foi contaminado pelo coronavírus novamente, ainda que tenha recebido as duas doses do imunizante. Imediatamente, o atual jogador do Real Brasília, que está emprestado ao América-RJ, passou a receber críticas na web. Vale lembrar que a vacina não impede de contrair a doença, mas evita, na grande maioria dos casos, a morte.

“Funciona sim. Olha, com a vacina é como se seu organismo tivesse escalado o Weverton no gol contra a Covid. Sem ela é como se o seu sistema imunológico tivesse com o Deola no gol. Entendeu?”, disparou um internauta. “Vacina não evita contaminação… Vacina evita que a pessoa chegue a ser intubada… Meu amigo pegou COVID-19 com a Pfizer, mas sobreviveu… Assim como @jdoriajr irá tirar de letra pq está vacinado!”, comentou outro. “Com vacina é como se tivéssemos um bom goleiro, ainda levaremos gol mas nada que preocupe. Sem vacina é como se você fosse o goleiro, levaríamos vários gols, frangos e morreríamos”, cutucou um terceiro.

Formado nas categorias de base do próprio Palmeiras, Deola teve a missão de substituir Marcos, um dos maiores ídolos da torcida palmeirense e herói na conquista da Copa Libertadores de 1999, que pendurou as luvas em 2012. Após sua passagem pelo time paulista, onde não deixou saudades, ele passou por vários clubes de menor expressão, como o Taboão da Serra-SP, Fluminense de Feira de Santana, América-RJ, Asa de Arapiraca, Villa Nova-MG e, agora, Real Brasília.