Exclusivo: Marcos polemiza ao falar sobre decisão de jogadores em disputar a Copa América

Em contato com o comentarista Vampeta, do Grupo Jovem Pan, o ex-goleiro opinou sobre o motivo dos comandados de Tite aceitarem jogar a competição no Brasil

  • Por Jovem Pan
  • 09/06/2021 15h32 - Atualizado em 09/06/2021 17h08
Reprodução/Instagram/@Marcos_goleiro/Lucas Figueiredo/CBFMarcos polemizou ao falar sobre a decisão dos jogadores da seleção brasileiraar sobre a decisão dos jogadores em disputar a Copa América

Marcos, pentacampeão do mundo com a seleção brasileira, polemizou ao falar sobre a decisão dos jogadores comandados por Tite, que mesmo reclamando da organização da Copa América no país, definiram que irão disputar a competição. Em contato com o comentarista Vampeta, do Grupo Jovem Pan, durante o programa Canelada, o ex-goleiro declarou: “Vamp, eles [os atletas brasileiros] esperaram a Argentina. Quando a seleção argentina falou que jogaria, eles ficaram sem argumento”, disse o arqueiro aposentado, que construiu a sua carreira no Palmeiras. A Copa América estava marcada para acontecer na Colômbia e na Argentina. No começo de maio, o governo colombiano desistiu de sediar o torneio devido à forte onda de protestos políticos contra o presidente Ivan Duque. Já no final do mês passado, as autoridades argentinas cancelaram o evento no país por causa do agravamento da pandemia do novo coronavírus. Assim, a Confederação Brasileira de Futebol (CBF), com a autorização do governo de Jair Bolsonaro (sem partido), abriu as portas para a realização do torneio no Brasil.

A mudança causou má repercussão entre os brasileiros e personalidades importantes do futebol, como o técnico da seleção da Argentina, Lionel Scaloni, e os jogadores Giorgian De Arrascaeta e Matías Viña, ambos do Uruguai. A AFA (Associação de Futebol Argentino), no entanto, garantiu a presença da Albiceleste no campeonato no último domingo. Já os jogadores da seleção brasileira, após dias turbulentos com o afastamento do presidente da CBF, Rogério Caboclo, decidiram se manifestar somente na noite da última terça, após a vitória contra o Paraguai. Em carta, eles anunciaram que são contra a disputa da competição, mas que vão entrar em campo por ter uma “missão a cumprir com a histórica camisa verde e amarela pentacampeã do mundo.”