Campeão de tudo em 2020, Lewandowski brinca: ‘Posso convidar Messi e CR7 para minha mesa’

Capa da revista France Football em dezembro, o polonês fez alusão a uma declaração de Griezmann que disse ‘estar na mesma mesa que Cristiano e Messi’

  • Por Jovem Pan
  • 21/12/2020 18h54
Reprodução/ France FootballRobert Lewandowski posa com todos os troféus que conquistou na temporada 2019/20

Campeão e artilheiro do Campeonato Alemão, Copa da Alemanha, Liga dos Campeões, Supercopa da Uefa, eleito o melhor jogador do mundo pela Fifa e também o melhor da Europa. A temporada 2019/20 foi generosa com Robert Lewandowski. O atacante do Bayern de Munique ganhou tudo e desbancou grandes nomes como Lionel Messi e Cristiano Ronaldo, mas ele ainda se vê longe do patamar dos concorrentes. “Não consigo me imaginar ao lado deles neste ponto de vista. Depois, se você pegar os números deste ano e até dos anteriores, acho que estou muito bem em termos de desempenho e gols marcados. Por não estar na mesma mesa do Messi e do Ronaldo, acho que posso convidá-los para comer na minha”, disse em entrevista a revista France Football, na qual é a capa do mês de dezembro. A resposta chamou atenção porque, há dois anos, o atacante Antonie Griezmann disse que estaria na mesma mesa que a dupla.

Também durante sua entrevista, Lewandowski disse que pensa em melhorar ainda mais seu desempenho, mas reconhece que, aos 32 anos, seu tempo está acabando nos gramados. “Tenho um desejo de progredir, mas sei que o tempo está se esgotando. Obviamente, o progresso não é instantâneo. Quando você repete algo todos os dias, você só pode medir seu efeito três ou seis meses depois, não no dia seguinte. O problema é que muitas pessoas querem que o que você faz no trabalho invisível seja visto imediatamente. A paciência é uma virtude importante, tanto no futebol como na vida”, acrescentou.

Posando com seus tantos troféus – somente sem o Fifa The Best, entregue na semana passada – o atacante também contou que se inspirou em Alessandro Del Piero, Thierry Henry e Roberto Baggio para se tornar jogador de futebol e que quase fechou contrato com o Manchester United em 2012. “Depois do meu segundo ano em Dortmund, tive uma conversa com Sir Alex Ferguson. Ele queria que eu fosse para Manchester. Lá fiquei muito interessado. Posso até dizer que estava pronto. Mas Dortmund não queria me deixar ir. Não me chateou mais do que isso porque as coisas estavam indo bem com o Borussia“, finalizou.