Contrariando advogado, MP diz que ambulância chegou à casa de Maradona em 12 minutos

Matías Morla disse nesta quinta-feira que socorro demorou 30 minutos e classificou atitude como ‘idiotice criminosa’

  • Por Jovem Pan
  • 27/11/2020 21h24
Alexandr Mysyakin/Creative CommonsDiego Armando Maradona faleceu na última quarta-feira após ter insuficiência cardíaca

A Procuradoria-Geral de San Isidro, na província de Buenos Aires, informou nesta sexta-feira, 27, que o médico de Diego Maradona pediu assistência médica às 12h16 na quarta-feira passada, e que a primeira ambulância chegou à residência do craque argentino às 12h28, segundo gravações. Matías Morla, agente, advogado e amigo de Maradona, disse ontem que “a ambulância demorou mais de meia hora para chegar”, o que descreveu como uma “idiotice criminosa”. “É inexplicável que, durante 12 horas, meu amigo não tenha recebido atendimento nem controle por parte dos profissionais de saúde encarregados. A ambulância demorou mais de meia hora para chegar, o que foi uma idiotice criminosa”, criticou Morla.

Em comunicado divulgado, a Procuradoria-Geral de San Isidro informou que “foi estabelecido que às 12h17 (horário a ser confirmado pela operadora de telefonia) o secretário pessoal de Maradona solicitou serviço de assistência médica, e fez-se presente uma ambulância da empresa +VIDA às 12h28, conforme registros de gravações”. Minutos depois, chegaram à casa de Maradona “diversas ambulâncias de outras prestadoras de serviços médicos”. “Foi estabelecido também que, às 12h16, foi feito um chamado ao serviço de emergências 911 solicitando uma ambulância, por parte de Leopoldo Luque, levando em conta a gravação de áudio pertinente”, acrescenta o comunicado. Fontes jurídicas confirmaram à Agência Efe que o secretário de Maradona, Maximiliano Pomargo (cunhado de Morla), ligou primeiro para Luque, o médico de Maradona, que não estava no local, e que quase simultaneamente ambos solicitaram ambulâncias.

*Com informações da EFE