CR7 marca duas vezes, Portugal vence a Hungria e larga na frente no ‘grupo da morte’

Com os gols, o atacante da Juventus se isola como maior artilheiro da história da Eurocopa, chegando a 11 e deixando para trás o francês Michel Platini, com 9

  • Por Jovem Pan
  • 15/06/2021 14h53 - Atualizado em 15/06/2021 15h04
EFE/EPA/HUGO DELGADOCristiano Ronaldo marcou duas vezes na vitória de Portugal contra a Hungria na Eurocopa

A seleção portuguesa encontrou dificuldades, mas venceu a Hungria por 3 a 0, nesta terça-feira, 15, na Puskás Arena, em Budapeste, em partida válida pela rodada inaugural da Eurocopa. Já nos minutos finais do confronto, Raphael Guerrero e Cristiano Ronaldo (duas vezes) marcaram para Portugal, que larga na frente no Grupo F, considerado o da “morte” nesta edição do torneio. Isto porque as poderosas França e Alemanha, que se enfrentam às 16 horas (de Brasília), também lutam pelas duas vagas diretas da chave – vale lembrar que 4 dos seis terceiros colocados também avançam às oitavas. Com os tentos, o atacante da Juventus se isola como maior artilheiro da história da competição, chegando a 11 e deixando para trás o francês Michel Platini, com 9.

O termo “ataque contra defesa” pode definir bem o que aconteceu no primeiro tempo na estádio localizado na capital húngara, que ficou lotado apoiando a equipe da casa. Favorito, Portugal tomou as rédeas da partida, tendo mais posse de bola e demonstrando bastante agressividade. Tanto foi assim que Diogo Jota fez o goleiro Gulácsi trabalhar logo nos minutos iniciais. Trocando passes e se movimentando, o time português teve outra chance com o atacante do Liverpool, que parou novamente no arqueiro. A melhor chance, contudo, esteve nos pés de Cristiano Ronaldo, que desperdiçou oportunidade inacreditável na cara do gol ao completar cruzamento para fora.

No retorno do intervalo, o duelo foi mais equilibrado. Pepe, é verdade, assustou ao cabecear no canto, exigindo bela intervenção de Gulácsi, no canto direito. A Hungria, no entanto, passou a dar algumas escapadas, tendo Sallai chutando de fora da área, mandando nas mãos de Rui Patrício. Schon, que havia acabado de entrar, até chegou a balançar as redes, limpando Pepe e acertando o canto, mas a arbitragem marcou impedimento, ratificado pelo VAR. Insatisfeito com o resultado, Fernando Santos, técnico da seleção portuguesa, mudou o time, colocando Renato Sanches, Rafa Silva e André Silva no embate. A mudança deu certo e, em pouco tempo, Rafa Silva cruzou para Raphael Guerrero, que contou com desvio no pé do zagueiro para abrir o placar, aos 40 minutos. Logo na sequência, o próprio Rafa Silva foi puxado dentro da área. Na cobrança, Cristiano Ronaldo não desperdiçou, colocando no canto e se isolando como maior artilheiro da história da Eurocopa com 10 gols, deixando o francês Michel Platini para trás com 9. Já nos acréscimos, o craque da Juventus ainda recebeu na assistência Rafa Silva para fazer o terceiro.