France Football anuncia que prêmio Bola de Ouro não será entregue em 2020

Revista alegou falta de condições justas para realizar premiação, que acontecia de maneira ininterrupta desde 1956

  • Por Jovem Pan
  • 20/07/2020 09h09 - Atualizado em 20/07/2020 09h38
Yoan Valat/EFELionel Messi é o maior vencedor da história da Bola de Ouro, com seis conquistas

A France Football anunciou, na manhã desta segunda-feira (20), que a Bola de Ouro, tradicional prêmio entregue aos melhores do mundo futebolístico de cada ano, não será será concedida em 2020. Em comunicado oficial, a revista alegou que a decisão acontece devido à longa paralisação no futebol provocada pela pandemia da Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. No entendimento do prestigiado veículo de informação, um “ano tão singular não pode e não deve ser tratado como um ano comum. Em caso de dúvida, é melhor se abster do que persistir”.

Em nota, a France Football listou vários motivos para não entregar o prêmio Bola de Ouro, que é concedido anualmente desde 1956, aos melhores jogadores da temporada. Um deles foi que não houve igualdade de condições, já que algumas ligas foram encerradas precocemente por causa da pandemia, como o Campeonato Francês e o Holandês. “Como a justiça que prevalece para esse título honorário não pôde ser preservada, principalmente no nível estatístico e também na preparação, uma vez que todos os aspirantes ao prêmio não puderam ser alojados no mesmo barco, alguns tendo visto sua temporada cortar radicalmente outros não. Então, como você compara o incomparável?”, questionou.

O periódico também lembra que o futebol ficou suspenso por alguns meses e voltou de maneira diferente, sem torcida e com cinco substituições, alterando o jogo. Além disso, a revista esclarece que não há “clima” para a cerimônia, tendo em vista que milhares de pessoas morreram em todo o planeta após serem infectadas pelo novo coronavírus. “O troféu transmite outros valores, como exemplaridade, solidariedade e responsabilidade – além da excelência esportiva”, justificou.

Vale lembrar que, em maio, a Fifa anunciou que não iria realizar a luxuosa festa “The Best”, cerimônia que também congratula os melhores do ano. A entidade, entretanto, não informou se os atletas receberiam os prêmios à distância.

Veja a nota completa aqui:

Messi e Rapinoe (assim como De Ligt e Alisson, vencedores dos troféus Kopa e Yachine) terão que esperar um ano. Os vencedores da última edição do BO não terão sucessores no final do ano. Porque não haverá edição Ballon d’Or 2020. Por quê?

•Porque um ano tão singular não pode – e não deve – ser tratado como um ano comum. Em caso de dúvida, é melhor se abster do que persistir.
• Como o troféu Ballon d’Or transmite outros valores – como exemplaridade, solidariedade e responsabilidade – além da excelência esportiva.
• Como a justiça que prevalece para esse título honorário não pôde ser preservada, principalmente no nível estatístico e também na preparação, uma vez que todos os aspirantes ao prêmio não puderam ser alojados no mesmo barco, alguns tendo visto sua temporada cortar radicalmente outros não. Então, como você compara o incomparável?
• Como não queríamos afixar um asterisco indelével na lista de prêmios no estilo de “troféu ganho em circunstâncias excepcionais devido à crise de saúde Covid-19”, preferimos uma pequena entorse (a nossa história) a uma grande cicatriz. Foi a primeira vez desde 1956 que o Ballon d’Or fez uma pausa. O parêntese não nos encanta, mas nos parece o mais responsável e lógico. Proteger a credibilidade e legitimidade de tal prêmio também significa garantir que seja irrepreensível ao longo do tempo.
•Como apenas dois meses (janeiro e fevereiro), dos onze geralmente necessários para formar uma opinião e decidir entre os melhores, é muito pouco para avaliar e julgar, uma vez que os outros jogos foram então – ou ocorrerá – então em outras condições e formatos (na câmera, cinco substituições, final europeu 8 em uma única partida) muito longe do panorama usual. Não podemos confiar em estações aleijadas, com tantos arranjos especiais, para eleger o melhor. O melhor de que, a propósito? Não seria digno de nossa história.
• Devido aos nossos aproximadamente 220 jurados (homens e mulheres combinados) distribuídos pelo mundo, alguns podem ter sido distraídos ou desviados de sua missão de observação devido a outras prioridades e emergências a serem gerenciadas.
• Como a história da trilha sonora é preciosa demais para correr o risco de danificá-la com um exercício vacilante. Nestes tempos turbulentos, fazer uma pausa é um luxo e uma necessidade inestimável. Para que o futebol, como um todo, recupere força e força, paixão e emoção.