Presidente da Fifa diz que Copa a cada dois anos pode evitar mortes de imigrantes no mar

Durante discurso dado nesta quarta-feira, 26, Gianni Infantino mencionou a imigração de africanos pelo Mar Mediterrâneo e foi alvo de críticas

  • Por Jovem Pan
  • 26/01/2022 15h34 - Atualizado em 26/01/2022 15h35
EFE/ Cristobal Herrera Gianni Infantino é o atual presidente da Fifa Infantino foi alvo de críticas após sua declaração sobre a realização da Copa a cada dois anos

Em discurso no Conselho Europeu realizado nesta quarta-feira, 26, na França, o presidente da Fifa, Gianni Infantino, voltou a defender a realização de uma Copa do Mundo a cada dois anos e utilizou um argumento que foi criticado nas redes sociais. Durante sua fala, Infantino disse que a realização do torneio a cada dois anos pode ajudar a evitar a morte de imigrantes no mar, sendo mais específico e citando os africanos que tentam atravessar o Mediterrâneo todos os dias. “O futebol não é apenas um esporte. São oportunidades, esperança, equipes nacionais, tem a ver com o país, o coração, a alegria. Não podemos dizer ao resto do mundo, ‘nos deem o vosso dinheiro, os bons jogadores mas nos vejam na televisão’… Temos de melhorar, de encontrar maneiras de incluir todo o mundo. Dar esperança aos africanos para que não precisem de atravessar o Mediterrâneo para encontrarem, não uma vida melhor, mas sim a morte no mar. Temos de dar oportunidades e dignidade, não caridade, para o resto do mundo poder participar”, disse Infantino. Durante sua fala, Infantino esteve acompanhado de Arsène Wenger, ex-treinador, diretor de desenvolvimento de futebol da Fifa e um dos principais apoiadores da Copa a cada dois anos.