Jogo do Atlético-MG na Colômbia é paralisado por gás lacrimogêneo de protestos

Jogadores sentiram de dentro do estádio os efeitos do conflito do lado de fora; partida terminou em 3 a 1 para a equipe brasileira

  • Por Jovem Pan
  • 13/05/2021 22h11 - Atualizado em 14/05/2021 12h29
EFE/ Ricardo Maldonado

Os protestos na Colômbia continuam intensos. Na noite desta quinta-feira, 13, uma das manifestações nos arredores do estádio Romelio Martínez, em Barranquilla, causou a paralisação da partida entre América de Cali e Atlético-MG devido ao gás lacrimogêneo atirado pela polícia nos manifestantes da rua, que invadiu o gramado e causou irritação nos atletas. Foram três paralisações no primeiro tempo e aos 40, o jogo foi totalmente interrompido e as equipes retornaram ao vestiário. Antes disso, a partida estava em 1 a 1 tendo a equipe brasileira saído na frente com gol de Hulk aos 21 minutos. Três minutos depois, Moreno empatou para os donos da casa. No segundo tempo, o jogo aconteceu normalmente. Aos nove minutos, Savarino fez pela jogada pela direita e cruzou para Arana chutar com a canhota e estufar as redes. Nos acréscimos, Murillo foi expulso depois de colocar a mão na bola e levar o segundo cartão amarelo. Aos 52, em lance de contra-ataque rápido, Eduardo Vargas marcou um golaço e fechou o placar em 3 a 1.

Situação parecida aconteceu durante a partida entre Junior Barranquilla e River Plate. O jogo também precisou ser paralisado por causa do gás lacrimogênio e os jogadores precisaram lavar o rosto com água. A partida terminou em 1 a 1. Mesmo com todo o contexto social problemático, a Conmebol confirmou nesta quinta a realização da Copa América 2021 no país. Nas redes sociais, colombianos e outros torcedores levantaram a campanha “No A La Copa America En Colombia” (Não há Copa América na Colômbia).