Protagonistas do Palmeiras “somem” de novo em clássico contra Corinthians

  • Por Jovem Pan
  • 14/05/2018 10h00
Palmeiras/DivulgaçãoLucas Lima é criticado frequentemente por ter atuações ruins em jogos importantes

Normalmente o trio formado por Lucas Lima, Dudu e Borja gera muita esperança para a torcida do Palmeiras. Muitas jogadas e gols decisivos passam por eles. Mas contra o Corinthians, neste domingo (13), eles tiveram uma atuação apagada e “sumiram” em campo, algo que já aconteceu em outros clássicos.

Lucas Lima tem enfrentado um problema tático no Palmeiras. Recentemente o técnico Roger Machado anunciou que tinha pedido para ele jogar de forma mais ofensiva, sem participar muito da saída de bola. Ele até mudou o posicionamento, mas tem deixado a impressão que só consegue ser decisivo quando recua um pouco. Contra o Corinthians ele jogou avançado e participou pouco do jogo. O técnico o defendeu: “não vejo o Lucas devendo em jogos grandes. Hoje, coletivamente, nosso time não conseguiu fazer o seu jogo”.

Já Dudu ficou muito preso na ponta esquerda e não chamou a responsabilidade em outros setores do campo. Quando recebeu a bola, quase sempre optou por passes para o lado ou então errou ao tentar ser mais incisivo. Praticamente não arriscou jogadas individuais.

Borja normalmente participa pouco do jogo. Não é o que se espera dele. Mas desta vez ele não conseguiu sequer se posicionar para finalizar bem. Foi facilmente bloqueado pelos zagueiros do Corinthians e não teve chances de gol. No único bom passe que recebeu, de Thiago Santos, no 1º tempo, ele foi afobado e tentou finalizar de cabeça, quando tinha espaço para dominar e avançar. O cabeceio foi fraco e nas mãos de Cássio.

Os 3 não podem se acomodar. Dudu está suspenso para o próximo jogo do Palmeiras no Brasileirão, pois levou o 3º cartão amarelo. Deve ser substituído por Hyoran, que fez boas partidas recentemente e tem pedido passagem. Lucas Lima corre risco de perder a vaga para Guerra, que já ameaçava ganhá-la antes de sofrer uma lesão no quadril. E Borja tem a permanente “sombra” de Willian, que costuma jogar bem quando sai do banco de reservas. Roger costuma defendê-los, mas isso pode mudar rapidamente.