Cuca volta ao Santos, faz alterações decisivas e vira estrela da vitória sobre o Sport

Alvinegro abre 2 a 0, mas leva empate antes do intervalo e só consegue superar o time pernambucano após as entradas de Soteldo e Bruno Marques

  • Por Jovem Pan
  • 28/11/2020 20h15 - Atualizado em 28/11/2020 20h29
Pedro Ernesto Guerra Azevedo/Santos FCCom Marinho e Soteldo em destaque, jogadores do Santos comemoram com dancinha o quarto gol da equipe no duelo com o Sport

Recuperado da Covid-19, o técnico Cuca voltou a dirigir o Santos em campo após 19 dias e foi decisivo para a vitória alvinegra diante do Sport por 4 a 2, na Vila Belmiro. O Peixe chegou a abrir 2 a 0, viu o o time pernambucano empatar, mas conseguiu mais dois gols após substituições importantes que o treinador fez no segundo tempo. O prata da casa Bruno Marques e o venezuelano Soteldo foram os responsáveis pelos terceiro e quarto gols. Em mais um dia de homenagens do futebol mundial a Maradona, Soteldo usou a camisa 10  com o nome do argentino às costas. Ele começou no banco, preservado, mas foi lançado no intervalo e fez questão de cobrar o pênalti do quarto gol para que a homenagem ficasse completa.

O jogo começou com a polêmica dos pênaltis por mão na bola. Marinho cobrou falta para a área e a bola acabou batendo na mão do defensor, que nem viu. O VAR chamou o árbitro e decidiu pelo pênalti. O atacante ajeitou, bateu e anotou seu 13º gol no Brasileirão, aos 6 minutos. O Santos chegou ao segundo logo depois. A arbitragem marcou impedimento e mais uma vez a decisão ficou para o arbitro de vídeo, que confirmou o gol de Lucas Braga.

Em apenas 10 minutos, o Santos tinha vantagem gigante diante de um time que não havia marcado um único gol nos últimos três jogos. A falsa impressão de goleada foi, aos poucos, desaparecendo com uma acomodação santista. Marquinhos e Barcia não deixaram o Peixe ir para o intervalo em vantagem. Cuca, então, lançou Soteldo. O Santos iniciou a etapa final em cima dos oponentes. Como o Sport resistia à pressão, o técnico resolveu colocar Bruno Marques, de 1,94m. Com um grandalhão na área, a esperança era um gol no chuveirinho. O técnico colheu os frutos com cinco minutos. Marinho cruzou e Bruninho, como é chamado, cabeceou para as redes do Sport a0s 26 minutos. No fim, Marinho sofreu pênalti, mas Soteldo pegou a bola, a contragosto do artilheiro santista. Com o gol, vieram as pazes. Eles comemoraram juntos, dançando.

*Com informações do Estadão Conteúdo