Rogério Ceni lamenta derrota do São Paulo e explica polêmica substituição de Igor Gomes

Em entrevista coletiva, o treinador são-paulino também ressaltou a evolução da equipe em comparação com os outros jogos

  • Por Jovem Pan
  • 04/02/2022 10h50
LUIS MOURA/WPP/ESTADÃO CONTEÚDO Rogério Ceni durante RB Bragantino x São Paulo, pelo Paulistão Rogério Ceni durante RB Bragantino x São Paulo, pelo Paulistão

O São Paulo segue sem sentir o gosto da vitória na temporada 2022. Na noite da última quinta-feira, 3, o Tricolor foi superado pelo RB Bragantino, no Nabi Abi Chedid, permanecendo com um ponto em três rodadas disputadas no Campeonato Paulista. Em entrevista coletiva, Rogério Ceni lamentou o revés, mas ressaltou a evolução da equipe em comparação com os outros jogos. “Tivemos os dois primeiros jogos bem abaixo, hoje não. Enfrentamos uma equipe de Série A, com jogo competitivo e que investe em futebol, mas precisamos de resultado. Não é que nem o Brasileiro, com 38 rodadas, que dá tempo de buscar. Somando um ponto em três é pouco, são apenas 12 jogos”, comentou o técnico.

“Mas, hoje foi um futebol mais agressivo, convincente, tomando conta mesmo como visitante. Acabamos sofrendo em boas relativamente fáceis de leitura que não tivemos no dia de hoje”, acrescentou Ceni, que pontuou os erros da equipe são-paulina. “O time fez um bom jogo, principalmente na parte ofensiva, mas foram erros primários que cometemos, desnecessários. São gols que entregamos para o Bragantino. Como time, os caras lutaram, brigaram e tiveram qualidade. Não tivemos organização suficiente para se defender da maneira correta”, continuou o técnico.

Na coletiva, Ceni também explicou a polêmica participação de Igor Gomes, meio-campista que entrou em campo no retorno do intervalo, mas acabou sendo substituído aos 37 minutos do segundo tempo. “Igor (Gomes) e Talles tiveram Covid. Voltaram há quatro dias praticamente. Ficaram uma semana parado. Patrick sentiu a posterior. Precisava montar o tripé do meio-campo. Quis usar Sara, Nestor como primeiro. Precisava de um homem pra tripé. Tanto Igor quanto Talles fazem essa função. Na minha cabeça imaginava usar 45 minutos cada um. O Igor entrou e… talvez um erro meu de avaliação, achei que aguentaria intensidade de metade do jogo. Mas ele não conseguiu acompanhar a intensidade do jogo. Próprio Talles deixou alguns buracos ainda acho que pela parte física. Mas a necessidade do jogo pedia um dos dois naquela função. Quando achei que não conseguiria, e é um erro de avaliação meu colocar achando que suportaria 45 min com intensidade necessária, mudamos.”