Em corrida marcada por protesto e punição, Bottas vence GP da Áustria

  • Por Jovem Pan
  • 05/07/2020 12h48
EFECom um desempenho seguro, Bottas, que largou na pole position, manteve a dianteira em toda a prova

O finlandês Vallteri Bottas resistiu aos ataques do companheiro de equipe na Mercedes, o britânico Lewis Hamilton, e venceu neste domingo (5) o Grande Prêmio da Áustria de Fórmula 1, que marcou a abertura da temporada. A prova foi disputada sem público e com uma série de medidas de segurança para evitar a propagação do novo coronavírus

Com um desempenho seguro, Bottas, que largou na pole position, manteve a dianteira durante toda a corrida no Red Bull Ring, em Spielberg, e recebeu a bandeirada em primeiro lugar. Hamilton até chegou em segundo, mas foi punido com o acréscimo de 5s a seu tempo total, devido a um toque no carro do tailandês Alexander Albon, em uma disputa pela vice-liderança, e caiu para quarto. O jovem da Red Bull, que rodou, acabou apenas em 13º.

O GP de abertura do campeonato foi muito ruim para a equipe da casa. O outro piloto do time, o holandês Max Verstappen, que havia vencido na Áustria em 2018 e 2019, abandonou logo na sexta volta devido a problemas mecânicos.

Com a punição a Hamilton, o pódio teve ainda o monegasco Charles Leclerc, da Ferrari, em segundo lugar, e o também britânico Lando Norris, da McLaren, em terceiro. A equipe inglesa ainda teve o espanhol Carlos Sainz na quinta colocação.

Como o Mundial foi atrasado devido à pandemia da Covid-19 e muitas provas não poderão ser realizadas, a organização se viu obrigada a fazer duas provas seguidas em Spielberg. Na próxima semana, acontecerá o inédito GP da Estíria, no mesmo circuito e com o mesmo traçado. O mesmo acontecerá em breve em Silverstone, que sediará o GP da Grã-Bretanha e GP do 70º Aniversário.

Corrida marcada por protesto

No momento da execução do hino antes do início do GP, os pilotos se ajoelharam, liderados por Lewis Hamilton, em um protesto contra o racismo e a violência policial. O gesto tem sido repetido em diferentes competições esportivas desde o assassinato de George Floyd, homem negro sufocado por um policial branco nos Estados Unidos.

Todos os pilotos vestiram camisas com a frase “Fim ao racismo”. Único negro da categoria, Hamilton usou uma com a frase “Black Lives Matter” (“Vidas Negras Importam”), símbolo do movimento. O momento foi compartilhado nas redes sociais da F1.

*Com EFE