F1: Prova do GP da Bélgica é encerrada e pilotos conquistam metade dos pontos

Atletas ficaram com as posições que obtiveram no treino classificatório; Max Verstappen foi o campeão, seguido de George Russell, que subiu pela primeira vez ao pódio, e Lewis Hamilton

  • Por Jovem Pan
  • 29/08/2021 13h18 - Atualizado em 29/08/2021 17h42
Reprodução/Twitter/F1Depois de algumas voltas de apresentação atrás do safety car, pilotos alegaram que as condições da pista eram “impraticáveis”

Após mais de três horas de atraso, a Federação Internacional de Automobilismo (FIA) autorizou o início da corrida de Fórmula 1 no GP da Bélgica, que acontece nesta domingo, 29. Depois dos consecutivos adiamentos em virtude da forte precipitação, a largada foi dada, com um safety car a frente. Os pilotos não puderam ultrapassar durante esse tempo. Após 3 voltas, a bandeira vermelha foi decretada e os carros voltaram para o pitlane. As voltas regulamentares foram suficiente para que os pilotos pudessem ficar com metade dos pontos, considerando a posição que eles obtiveram no sábado, 28, durante o treino classificatório. Pouco tempo depois, a FIA anunciou o encerramento da corrida. Dessa forma, o piloto da Red Bull Racing, Max Verstappen, que conquistou a pole position, se tornou o campeão do GP da Bélgica. O segundo lugar ficou com piloto da Williams, George Russell, que sobe ao pódio pela primeira na F1. A equipe inglesa não ficava no pódio desde 2017. O terceiro lugar ficou para o atual heptacampeão, Lewis Hamilton. Com os pontos obtidos, o britânico continua na frente do Campeonato de Pilotos, com 202,5 pontos. O holandês Max Verstappen está com 199,5.

Confira o resumo da corrida:

O tempo estava tão ruim que o piloto da Red Bull Racing, Sérgio Perez, bateu sozinho ainda na ida para o grid. Marcada para às 10h, no horário de Brasília, a largada foi adiada por 25 minutos pela chuva insistente que atingia o Circuito de Spa-Francorchamps, na Bélgica. Depois de algumas voltas de apresentação atrás do safety car, pilotos alegaram que as condições da pista eram “impraticáveis”. A visão dos pilotos estava impossibilitada pela chuva e pelos “sprays” emitidos pelos carros à frente. A água parada na pista deixava a corrida ainda mais perigosa. Por causa dos relatos, a direção interrompeu a prova, que teria no máximo três horas para ser realizada. Às 12 horas, foi anunciado que o o cronômetro seria congelado com a 1 hora restante na esperança de que as condições climáticas melhorassem.