Perto de recorde de Schumacher, Hamilton diz se sentir ‘melhor do que nunca’

O piloto inglês conquistou a 89ª vitória neste domingo (30), na Bélgica

  • Por Jovem Pan
  • 30/08/2020 14h44
EFE/EPA/Lars BaronLewis Hamilton conquistou a 89ª vitória neste domingo (30), na Bélgica

Faltam apenas duas vitórias para Lewis Hamilton se igualar a Michael Schumacher como o maior vencedor da Fórmula 1 em número de corridas. E o piloto inglês resolveu mandar uma mensagem bem direta após o triunfo no GP da Bélgica, em Spa-Francorchamps, neste domingo (30) “Honestamente, é uma loucura pensar que estou indo de 35 para 36 anos, mas me sinto melhor do que nunca, então é algo positivo”, disse. Curiosamente, o recorde pode vir no GP da Toscana, em Mugello, justamente a casa da Ferrari, equipe pela qual o alemão fez história. As duas próximas corridas serão na Itália. Antes de Mugello, os pilotos aceleram em Monza, dia 6 de setembro.

É bem difícil acreditar que as próximas etapas não terminem com triunfo de Hamilton, tamanha sua soberania na temporada. Com o triunfo de ponta a ponta em Spa-Francorchamps, o inglês agora soma cinco vitórias em sete provas no ano. A maioria delas conquistada sem ter a liderança ameaçada. Mesmo assim, o piloto da Mercedes disse que viveu dois momentos “estressantes” na Bélgica. Na largada e depois na saída do carro de segurança após 14 voltas. “Esse é o momento estressante da corrida, a relargada. É horrível quando você pega o Safety Car. Fico feliz que todos estejam seguros, mas controlar na frente e tentar evitar novo acidente com os carros de trás é complicado. Pois eles podem te tirar da pista”, explicou.

Após o 89° triunfo na Fórmula 1, o inglês festejou com a saudação Wakanda Forever, homenageando mais uma vez o ator Chadwick Boseman, que morreu aos 43 anos, vítima de câncer. O piloto já havia dedicado a pole ao protagonista de “Pantera Negra“, que, segundo ele, o inspirou a dirigir à perfeição. “Quando criança, sonhava com super-heróis. E finalmente ver um super-herói da mesma cor para mim foi realmente um momento notável para a comunidade negra. Eu desmoronei [com a morte de Chadwick]”, enfatizou Hamilton, único negro entre os 20 pilotos da categoria. São 40 corridas seguidas completadas pelo inglês. E, em todas, pontuando. Hamilton vem cravando todos os recordes da categoria e eternizando seu nome na Fórmula 1. Caminha a passos largos para se tornar heptacampeão neste ano.

Solitário

Terceiro colocado, o holandês Max Verstappen, da Red Bull, lamentou não ter forças para pressionar os carros da Mercedes. E acabou se conformando com sua posição final, o sexto pódio seguido na temporada. “Eu realmente não conseguia acompanhá-los. Até tentei colocar um pouco de pressão sobre o Valtteri (Botas, segundo colocado), mas disseram para ele acelerar e não consegui mais acompanhá-lo. Então fiquei um pouco solitário”, lamentou, justificando o fato de ficar sozinho sem ter o que fazer na terceira posição.

A Red Bull chegou a Spa-Francorchamps falando que Verstappen estava forte para buscar a vitória, o que em nenhum momento foi visto ao longo do fim de semana. “Talvez não tenha sido um terceiro lugar satisfatório, mas ainda é melhor do que nada, então estou muito satisfeito com isso”, ponderou Verstappen, vice-líder do Mundial de Pilotos, com 110 pontos. Hamilton lidera de forma isolada com 157.

*Com Estadão Conteúdo