Nadador dos EUA se recusa a usar máscara em zona mista e Comitê avalia punição

Michael Andrew foi um dos atletas da delegação norte-americana que não se vacinou contra Covid-19

  • Por Jovem Pan
  • 30/07/2021 03h22 - Atualizado em 30/07/2021 03h23
christine brennan/ Twitter USA Today Sports Michael Andrew apareceu na área de jornalistas sem máscara

O comportamento do nadador norte-americano Michael Andrew depois da disputa do medley individual masculino de 200m chamou atenção do mundo. Michael se recusou a usar máscara de proteção contra a Covid-19 na zona mista onde os jornalistas esperam os atletas após as provas. Ele foi um dos atletas dos Estados Unidos que recusou se vacinar antes de Tóquio 2020. O jornal USA Today publicou uma foto do nadador em suas redes sociais e teve uma resposta do Comitê Olímpico e Paraolímpico dos EUA sobre o caso. De acordo com eles, a atitude viola os protocolos sanitários impostos pelo Comitê e pelos organizadores das Olimpíadas e afirmou que medidas serão tomadas. “Não usar máscara é uma violação dos ambiciosos protocolos de mitigação implementados tanto pelo USOPC quanto pelo TOCOG (os organizadores das Olimpíadas de Tóquio) – protocolos que temos seguido obstinadamente como delegação. No momento, estamos analisando esse assunto com o Corpo Governante Nacional e tomaremos as medidas necessárias ”, escreveram.

Questionado na zona mista do porquê não usava máscara, Michael disse que prioriza seu bem-estar após as competições. “Para mim é muito difícil respirar depois de sacrificar meu corpo na água, então sinto que minha saúde está um pouco mais ligado a ser capaz de respirar do que proteger o que está saindo da minha boca”, disse. “Eu acho ótimo que haja procedimentos, mas no final do dia, todos nós aqui estivemos em quarentena e no mesmo protocolo de teste, então há um nível de segurança (que é) confortável quando estamos competindo”, completou. Antes das Olimpíadas, Michael explicou o porquê não se vacinou contra a doença. “Eu não queria colocar nada no meu corpo que eu não soubesse como reagiria potencialmente. Como atleta de elite, tudo o que você faz é muito calculado e compreendido. Para mim, no ciclo de treinamento, especialmente antes das provas, não queria arriscar nenhum dia de folga”, disse. Ele competiu duas vezes em Tóquio e não foi bem nas provas.