Tóquio-2020: Entenda como são disputados os esportes dos Jogos Olímpicos 

Até 8 de agosto, data de encerramento da Olimpíada, mais de 40 modalidades serão praticadas no mais alto nível na capital japonesa, atraindo olhares de todos os cantos do mundo

  • Por Jovem Pan
  • 20/07/2021 16h29
Reprodução/Olympics.comEsgrima é um dos esportes que serão praticados nos Jogos Olímpicos de Tóquio

A cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos acontece somente na sexta-feira, 23. Ainda assim, alguns esportes têm o seu pontapé inicial na cidade de Tóquio entre esta terça-feira, 20, e a quarta (o futebol e o beisebol). Até 8 de agosto, data de encerramento da Olimpíada, mais de 40 modalidades serão praticadas no mais alto nível na capital japonesa, atraindo olhares de todos os cantos do mundo para o principal evento esportivo do planeta. Mas, afinal, você conhece todos os esportes que serão disputados? Abaixo, a Jovem Pan Online explica quais são e como são disputadas as provas que valem medalhas olímpicas.

Basquete

Um dos esportes mais populares do planeta, o basquete está presente nos Jogos Olímpicos desde 1936, na categoria masculina. Desde a primeira edição, os norte-americanos dominam a modalidade, perdendo apenas cinco partidas e ficando sem o ouro em quatro oportunidades: 1972, 1980 (não participaram), 1988 e 2004. Já no feminino, que estreou somente na Olimpíada de 1976, a situação não é muito diferente. Em 11 participações, as estadunidenses só não subiram ao lugar mais alto do pódio três vezes: 1976, 1980 e 1992. Disputado no 5 x 5, o esporte rendeu apenas cinco medalhas para os brasileiros, sendo uma de prata e quatro de bronze. Em Tóquio, os times de homens e mulheres do Brasil não estarão em quadra, já que não se classificaram no Pré-Olímpico.

A novidade no Japão será a disputa do basquete 3 x 3, que pela primeira vez fará parte do principal evento esportivo. Com três jogadores de cada lado, a modalidade foi incluída pelo COI e é disputada normalmente em quadras abertas, com várias diferenças em relação ao basquete convencional, a começar pelo tamanho da quadra e o número de tabelas — as regras são feitas para tornar o jogo mais rápido e empolgante. A seleção brasileira masculina, assim como no 5×5, foi derrotada no Pré-Olímpico e não viajou para a capital japonesa.

Tiro com arco

Esporte medieval, o tiro com arco esteve presente nos primeiros Jogos Olímpicos, ficou fora do evento de 1924 a 1968 e retornou em 1972, permanecendo até os dias atuais. O objetivo do atleta é somar o maior número de pontos possíveis, precisando atirar de diferentes distâncias (com alvos de 30 a 90 metros) e campos (espaço aberto e plano; espaço fechado e espaço aberto e irregular). Os participantes lançam séries de 36 tiros a cada distância em direção ao alvo, que é dividido em dez setores coloridos — o círculo menor vale dez pontos, o mais próximo nove, e assim sucessivamente. Vale destacar que, se uma flecha atingir a linha divisória entre dois setores, é contabilizada a pontuação mais alta. Na Tóquio-2020, Marcus D’Almeida e Ane Marcelle representarão o Brasil, que ainda não tem medalha nesse esporte na história dos Jogos. Tanto do masculino quanto no feminino, os sul-coreanos são favoritos.

Nado artístico 

Antes conhecido como nado sincronizado, o nado artístico ganhou status olímpico nos Jogos de Los Angeles 1984 e, junto com ginástica rítmica, é uma das modalidades do programa olímpico em que apenas as mulheres participam. Seja em duplas ou em equipes de oito nadadoras, as atletas executam duas rotinas diferentes: a primeira, técnica, e a segunda, livre. As técnicas envolvem figuras obrigatórias a serem realizadas numa ordem determinada. As duplas têm até 2 minutos e 20 segundos para se apresentar. As equipes. 2 minutos e 50 segundos. Mais performáticas, as rotinas livres envolvem também o cuidado com as roupas, escolhidas em sintonia com a coreografia. O Brasil, desta vez, não terá representantes no esporte, que é dominado pelas russas há décadas. As chinesas e ucranianas devem correr por fora na briga pelo ouro.

Atletismo 

Presente desde a primeira edição, em Atenas-1896, o atletismo é o carro-chefe dos Jogos Olímpicos, compreendendo atualmente 48 provas, sendo 24 masculinas, 23 femininas e 1 mista. É possível dividi-las em dez grupos: provas de velocidade, também conhecidas como sprint, de meio-fundo, de fundo, com obstáculos, revezamentos, saltos, lançamentos e arremessos, combinadas, de rua e marchas. Assim, as provas de Tóquio-2020 são:

  • Velocidade: provas de 100, 200 e 400 metros rasos (a primeira consagrou Usain Bolt e costuma atrair atenção do mundo todo);
  • Fundo: são as que exigem mais resistência dos atletas, compreendendo as provas 800, 1.500, 5.000 e 10.000 metros;
  • Obstáculos: 100 ou 110 metros com barreira, 400 metros com barreira e 3.000 metros com obstáculos;
  • Revezamentos: 4×100 metros e 4×400 metros;
  • Provas de rua: maratona, marcha 20 km e marcha 50 km;
  • Provas combinadas: Heptatlo e decatlo;
  • Saltos: com vara, em altura, em distância e triplo;
  • Arremessos e lançamentos: arremessos de peso, lançamento de dardo, lançamento de disco e lançamento de martelo.

Badminton

O badminton entrou dentro do programa olímpico somente em Barcelona-1992, mas é um dos xodós do público, sendo conhecido como o jogo da “raquete com peteca”. O badminton pode ser praticado entre dois jogadores adversários (modalidade simples) ou entre quatro jogadores (modalidade duplas), sendo dois de cada equipe. No início, o juiz lança uma moeda no ar e por meio da cara ou coroa ele indica qual time irá começar. Com o saque inicial, o jogo se desenvolve com diversos movimentos de ataque e defesa. É importante que a peteca não ultrapasse as linhas da quadra, que têm 13 metros de comprimento e 6 de largura, além de ser dividida por uma rede que está cerca de 1,55 metro do solo. O primeiro set termina com 21 pontos. Vence quem ganhar dois sets primeiro. Ygor Coelho, pela segunda vez na carreira, e Fabiana Silva serão os representantes brasileiros no esporte dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020. Historicamente, os chineses costumam reinar na modalidade.

Beisebol e softbol

O beisebol e o softbol são duas das grandes novidades dos Jogos Olímpicos de Tóquio. Fora das últimas duas Olimpíadas, os esportes são semelhantes. O primeiro, mais conhecido, será disputado no Japão apenas entre homens, enquanto o segundo, somente entre as mulheres . Ao todo, seis equipes nacionais irão disputar o lugar mais alto do pódio nas duas versões. O Brasil não concorrerá em ambas. O objetivo do jogo é rebater uma bola (lançada por um dos jogadores) e percorrer as quatro bases que compõem o campo. Vence a partida a equipe que tiver maior número de corridas. Dessa forma, os embates não têm uma duração média predefinida e podem variar de uma hora e meia até verdadeiras maratonas, que duram seis horas. A diferença entre os esportes é que no softbol o arremesso precisa ser feito com um movimento com o braço de baixo para cima (com o punho, abaixo, e o cotovelo obrigatoriamente alinhados verticalmente), e não de cima para baixo, como faz um arremessador de beisebol. A bola utilizada no softbol é maior que a do beisebol (sua circunferência mede 30,4 cm). Além disso, também é diferente a dimensão do campo: no beisebol a área de jogo tem raio de 68,58 metros, enquanto a área do softbol tem raio de 60,96 metros.

Vôlei de praia

O vôlei de praia está inserido nas Olimpíadas desde Atlanta-1996 e segue cativando o público durante os Jogos. Assim como na quadra, o jogo é dividido em sets, mas, ao contrário da modalidade irmã, na areia a disputa é em uma melhor de três sets de até 21 pontos, sendo necessário no mínimo dois pontos de diferença para que uma dupla feche um set. Caso haja a necessidade de um set desempate, este dá a vitória para a dupla que fizer 15 pontos primeiro, desde que também abra dois de diferença. Ao lado dos Estados Unidos, o Brasil é uma potência no esporte, somando 13 medalhas olímpicas, sendo 3 de ouro, 7 de prata e 3 de bronze. Em Tóquio, porém, Alemanha, Suíça, Áustria, Austrália, Holanda, Itália, China, Espanha e Letônia também chegam como concorrentes. Ágatha/Duda e Ana Patrícia/Rebecca são as duplas brasileiras no feminino, enquanto Alison/Álvaro Filho e Bruno Schidmit/Evandro representam o país no masculino.

Boxe

Considerado um dos esportes mais tradicionais nas Olimpíadas, o boxe em Tóquio-2020 terá oito categorias no masculino (51-52kg, 57kg, 63kg, 69kg, 75kg, 81kg, 91kg e + 91kg), além de cinco no feminino (51-52kg, 57kg, 63kg, 69kg e 75kg). Como sempre, o objetivo é acertar o maior número de golpes para somar pontos ou nocauteá-lo. No Japão, os brasileiros Wanderson Oliveira (63 kg), Keno Machado (81 kg), Hebert Conceição (75 kg), Abner Teixeira (91 kg), Grazieli Jesus (51 kg), Jucielen Romeu (57 kg) e Beatriz Ferreira (60 kg) terão a missão de manter o Brasil no pódio olímpico. Até aqui, o país tem um ouro, uma prata e três bronzes.

Canoagem (velocidade e slalom) 

A canoagem é dividida em duas modalidades: velocidade e slalom. A primeira ocorre em locais de águas calmas, com raias demarcadas, em percursos de 200, 500m e 1.000 metros. As corridas são disputadas por dois tipos de barco, a canoa (C) e o caiaque (K). Os competidores são divididos em raias e quem primeiro cruzar a linha de chegada é declarado o vencedor. Nos Jogos Olímpicos de 2016, no Rio de Janeiro, Isaquias Queiroz fez história ao se tornar o primeiro atleta brasileiro a conquistar três medalhas olímpicas em uma mesma edição, sendo duas de prata e uma de bronze. Desta vez, além do medalhista, Vagner Souta será o outro brasileiro a tentar subir no pódio. Já a canoagem slalom consiste em percorrer um percurso de corredeiras, seja artificiais ou naturais, passando por balizas (obstáculos) em um caiaque ou uma canoa. Ganha quem fizer em menor tempo e/ou com o menor número de penalizações possível. Em Tóquio, Ana Sátila e Pepê Gonçalves vão defender o Brasil, que não tem medalhas nesta modalidade.

Ciclismo

Um dos poucos esportes em todos as Olimpíadas, o ciclismo nos Jogos Olímpicos de Tóquio é composto de cinco modalidades: BMX, BMX Estilo Livre, estrada, mountain bike e pista. Diferentes entre si, cada uma delas possuem suas próprias características marcantes, regras e nomes de peso. Veja abaixo.

  • BMX: Em uma pista de terra com loops e obstáculos, 8 ciclistas competem pelo melhor tempo, aos saltos e manobras radicais;
  • BMX Estilo Livre: Nesta modalidade, os atletas têm até 60 segundos para mostrar habilidades, fazendo manobras e utilizando-se de paredes, obstáculos e corrimões;
  • Ciclismo de estrada: Como o nome diz, é disputada ao ar livre. Os competidores iniciam a prova juntos e lutam para conseguir o menor tempo;
  • Mountain bike: Aqui, a disputa consiste em percorrer terrenos acidentados de vários níveis de dificuldade, em circuitos de até 50 km, no menor tempo;
  • Ciclismo de pista: Mais tradicional, a modalidade é realizada em uma pista oval de 250 metros, onde os ciclistas competem para atingir o menor tempo durante as voltas.

Saltos ornamentais

Os saltos ornamentais foram incluídos no programa olímpico pela primeira vez em Saint Louis 1904, em provas na plataforma e exclusivas para homens. Já em Sidney 2000, a prova de saltos sincronizados passou a fazer parte do programa olímpico. Nos saltos ornamentais os atletas saltam de uma plataforma elevada ou de um trampolim em direção à água, realizando movimentos gímnicos com estéticas específicas. Em Tóquio, Ingrid Oliveira, Isaac Souza, Kawan Pereira e Luana Lima representarão o Brasil.

Hipismo

O hipismo é dividido em três categorias: adestramento, onde o cavaleiro, sem dar ordem verbal ao cavalo, deve orientar o animal a executar uma série de movimentos como círculos diagonais, passo, trote e galope em um percurso de areia; saltos, onde cavaleiro é responsável por saltar de 12 até 15 obstáculos com o cavalo, em uma pista que deve ter no mínimo 700 a até 900 metros; e CCE (Concurso Completo de Equitação), que reúne as duas modalidades anteriores mais o cross country, onde o cavaleiro deve passar obstáculos naturais (tanques de água, troncos de árvores, cercas, subidas e descidas). Entre os oito brasileiros que estão em Tóquio, destaque para o veterano Rodrigo Pessoa, ouro nos saltos nos Jogos de Atenas (Grécia), em 2004, e que disputará o evento pela sétima vez.

Esgrima

A esgrima é o único esporte de combate em que não é permitido contato corporal. Posicionados a uma distância de dois metros do adversários, em uma pista de 14 metros de comprimento com 1,5 a 2 metros de largura, os esgrimistas têm como objetivo tocar o rival com a ponta da arma (espada, florete ou sabre) sem ser tocado. Vale lembrar que os toques simultâneos não são contabilizados. Vence quem somar mais pontos, que são computados eletronicamente, já que as roupas dos esportistas possuem sensores. Campeã mundial, a italiana naturalizada brasileira Nathalie Moellhausen representa o Brasil na espada feminina, enquanto Guilherme Toldo vai brigar por uma medalha no florete masculino.

Futebol

Esporte mais popular do planeta, o futebol é disputado com apenas três jogadores com mais de 23 anos na categoria masculina — por causa do adiamento provocado pela pandemia, até 24 anos no caso de Tóquio-2020. Atual campeão, o Brasil tenta o seu segundo ouro no evento. Já no feminino, onde não se tem limite de idade para as participantes, a equipe da técnica Pia Sundhage busca o ouro inédito.

Golfe

Após um hiato de 112 anos sem aparecer nas Olimpíadas, o golfe voltou aos Jogos no Rio de Janeiro em 2016 e segue agora para Tóquio. Ao todo, serão 120 golfistas (60 homens e 60 mulheres), nenhum brasileiro entre eles. A competição olímpica consiste em 72 buracos de jogo com participação individual para homens e mulheres (serão quatro rodadas programadas em quatro dias consecutivos), tendo as pontuações acumulativas de rodada para rodada. Vence quem precisar de menos tacadas para acertar o buraco.

Handebol

O handebol é outro esporte bastante conhecido entre os brasileiros, sendo praticado em diversas escolas espalhadas pelo país. Cada equipe consiste em 16 jogadores, sendo que apenas sete podem estar presentes na quadra de jogo ao mesmo tempo. Disputada em dois tempos de 30 minutos, a partida é realizada em uma quadra que mede 40m x 20m, com gols 3m x 2m. Vale lembrar que os gols são cercados por uma área de 6m, em que só os goleiros podem ficar. Em Tóquio-2020, as duas seleções do Brasil se classificaram e chegam com a expectativa de brigar por uma medalha inédita em Jogos Olímpicos.

Hóquei sobre grama

O hóquei sobre grama foi criado na Inglaterra na segunda metade do século XIX. Muito semelhante ao futebol, a modalidade tem 11 jogadores em cada equipe e é disputada com um taco, num campo com dimensão 91 x 55 metros. Uma partida de hóquei na grama tem quatro tempos de 15 minutos. Após a fase de grupos, os países avançam diretamente para as semifinais. A modalidade entrou no programa olímpico nos Jogos de Londres em 1908 e conta com a categoria feminina desde 1980. O país com mais conquistas é a Índia (oito ouros, uma prata e duas bronze), seguida da Holanda (cinco ouros, seis prata e seis bronze) e Austrália (quatro ouros, três pratas e cinco bronzes).

Judô

Uma das categorias de luta mais famosas e admiradas nas Olimpíadas é o judô. A arte marcial se originou em 1882 no Japão e fez sua estreia nos Jogos em 1964, em Tóquio, mas só entrou oficialmente na grade olímpica em 1972. Nas competições, os atletas são divididos em sete categorias, de acordo com o seu peso. No masculino, de 60 kg até mais de 100 kg, e no feminino, dos 48 kg até acima de 78 kg. A roupa utilizada pelos judocas se chama judogui. e não kimono, como é popularmente chamado. Há duas cores oficias: branco e azul. É o esporte olímpico individual em que o Brasil mais conquistou medalhas na história: 22 no total, sendo quatro ouros, três pratas e 15 bronzes.

Karatê

O karatê, ou caraté, é uma arte marcial japonesa milenar que fará sua estreia nos Jogos Olímpicos em Tóquio. Serão duas categorias de luta: kumitê (60 atletas competindo) e kata (20 atletas). As categorias terão divisão igual para homens e mulheres. Os embates duram três minutos e o objetivo é acertar no adversário socos e pontapés estratégicos. Quem pontuar mais, vence. O país com mais chances de medalha é a Espanha, que tem os melhores caratecas do mundo tanto no masculino como no feminino.

Maratona aquática

A prática de nadar longas distância se popularizou em 1875 com o capitão inglês Matthew Webb, que cruzou a nado o Canal da Mancha, entre Inglaterra e França. As competições de maratona aquática foram se popularizando com os anos e em 2005, o Comitê Olímpico Internacional (COI) decidiu adicionar a modalidade à Olimpíada com uma disputa de 10 km em águas abertas. A partir de então, são 25 atletas no masculino e outras 25 no feminino. A brasileira Ana Marcela Cunha é uma das favoritas a conquistar medalha.

Pentatlo moderno

O Pentatlo moderno é uma das categorias que mais exige “superatletas”. Ele surgiu na Grécia Antiga, em 708 a.C., e era considerado a modalidade mais nobre dos Jogos Olímpicos da Antiguidade. Na era moderna, os participantes precisam disputar cinco modalidades: hipismo, esgrima, natação, tiro esportivo e corrida. Pode ser praticado individualmente ou em equipes, e está presente nos Jogos nas categorias masculina e feminina. O vencedor é aquele que obtiver o melhor desempenho geral na soma dos pontos. O atual campeão olímpico entre os homens é o russo Aleksander Lesun e entre as mulheres a australiana Chloe Esposito.

Ginástica

A Ginástica é um dos esportes mais acompanhados nas Olimpíadas. São três modalidades: artística, rítmica e de trampolim. Na ginástica artística, são oito aparelhos e divididos por gênero. As provas de salto e solo são disputadas por ambos os sexos. As mulheres também competem na trave de equilíbrio e nas barras assimétricas. Os homens, na barra fixa, barras paralelas, cavalo com alças e argolas. É possível competir individual por aparelho, individual geral ou por equipes. Na ginástica rítmica, somente mulheres competem e existem duas provas: o individual geral e por equipes, com seis atletas. Elas precisam se apresentar em quatro aparelhos: arco, fita, bola e maça. Na modalidade de trampolim, ou trampolim acrobático, os atletas precisam fazer acrobacias em uma cama elástica. As notas são dadas por grau de dificuldade do movimento, execução e tempo de voo.

Remo

O remo é um esporte muito antigo, datado do século XI, e entrou para as Olimpíadas nos Jogos de 1900, em Paris. Ao todo, são sete categorias sendo que os homens disputam todas e as mulheres somente seis. O percurso, no entanto, é igual para todos: tem 2.000 metros em linha reta com raias de 13,5 metros separando os barcos. Quem for o mais rápido e cruzar a linha de chegada primeiro, vence. O Brasil já conquistou 47 medalhas na modalidades, sendo 21 ouros, 13 pratas e 13 bronzes.

Rúgbi

O torneio Rugby Seven (com sete atletas) entrou na grade olímpica na Rio 2016, mas já apareceu na categoria masculina de 15 jogadores em 1900 e retornou nas edições de 1908, 1920 e 1924. Bem parecido com o futebol americano, o objetivo do rúgbi é ultrapassar a linha de fundo do campo adversário e fazer um try (tocar com a bola no chão). Cada try soma cinco pontos e dá direito a um chute na meta adversária (conversão) que equivale a mais dois pontos. As partidas são disputadas em dois tempos de sete minutos e, nas disputas por medalha, em dois períodos de dez minutos. A modalidade conta com categorias masculina e feminina.

Vela

O uso de barcos a vela começou no século XVII  — o primeiro clube data de 1720, na Irlanda. No Brasil, o esporte chegou no fim do século XIX. Começou a ser disputado nas Olimpíadas em 1900. Existem oito classes na vela: Finn, 470, 49er, Yngling, Tornado, RS:X, Star, Laser. Muitas regatas são realizadas durante a competição e os atletas podem descartar os piores resultados. A melhor colocação em uma regata rende poucos pontos. Vence quem tiver a pontuação mais baixa.

Tiro esportivo

É um dos esportes mais antigos no quadro olímpico. Esteve em praticamente todos os Jogos modernos desde 1896, com exceção de 1904 e 1928. As mulheres entraram na disputa em 1984, em Los Angeles. A modalidade tem quatro categorias: rifle, pistola, armadilha de argila e skeet. No rifle e na pistola, os atletas miram em círculos concêntricos e precisam atingir o mais próximo do centro. Já na shotgun (armadilha), os competidores atiram em um alvo voador. No skeet, os alvos são lançados de armadilhas à esquerda e à direita.

Skate

O skate é uma dos esportes estreante na Tóquio 2020. Há duas categorias (park e street), e homens e mulheres podem competir em ambas. No street, os atletas precisam fazer manobras e saltar entre obstáculos para ganhar pontos. No park, eles fazem manobras em uma pista com formato de piscina. Com grande apelo entre os jovens, o skate é o esporte com maior chance de medalhas para o Brasil, principalmente entre as mulheres, tendo Rayssa Leal (de 13 anos), Pâmela Rosa e Letícia Buffoni entre as melhores do mundo.

Escalada

Debutando nos Jogos Olímpicos, a escalada esportiva tem como objetivo escalar subidas íngremes a um nível diferente. As paredes podem ter ângulos de seções positivas (lajes) ou negativas (íngremes e salientes). Serão três modalidades: velocidade, bouldering e chumbo. A escalada de velocidade é entre dois atletas em uma parede de 15 metros. Na categoria bouldering, o objetivo é escalar uma série de rotas fixas em uma parede de 4,5 metros em um tempo determinado. No chumbo, é necessário escalar o mais alto possível em determinado tempo. Os atletas participarão das três modalidades. Será declarado vencedor quem fizer as melhores marcadas no geral.

Surfe

O surfe também é estreante em Tóquio 2020. A competição será realizada na praia de Tsurigasaki, na cidade de Chiba, nas categorias masculina e feminina. O formato de disputa será em baterias de quatro e cinco pessoas (nas primeiras), com duração de 30 minutos. As baterias valendo medalha terão duas pessoas. O Brasil é amplamente favorito no masculino com Gabriel Medina e Ítalo Ferreira. Entre as mulheres, Silvana Lima e Tatiana Weston-Webb correm por fora, mas são nomes de peso.

Natação

A natação está no quadro dos Jogos desde 1908, na edição de Londres, e é uma das modalidades mais amadas pelos brasileiros. Em Tóquio, os fãs das piscinas poderão assistir 35 provas masculinas e femininas, número superior às realizadas na Rio 2016. Entram como novas modalidades os 800 metros livre (masculino), os 1.500 metros livre (feminino) e o revezamento 4×100 medley (misto). Há a expectativa de quebras de recordes no Japão. Nas duas últimas Olimpíadas, sete marcas mundiais foram ultrapassadas.

Tênis de mesa

O tênis de mesa surgiu no final do século XIX como um jogo após o jantar de famílias inglesas de alta classe, mas faz sucesso mesmo com os chineses. Desde 1988 no quadro olímpico, o esporte tem três categorias: partidas individuais (masculino e feminino), por equipe (masculino e feminino) e duplas mistas. Com um sistema parecido com o tênis de quadra, cada partida é uma eliminatória, com jogadores e equipes progredindo até as finais.

Taekwondo

Mais uma das categorias de lutas, o taekwondo surgiu na Coreia há cerca de 2 mil anos. A primeira vez que a modalidade apareceu nas Olimpíadas foi em 1988, em Seul, mas como um evento de demonstração. O taekwondo só entrou definitivamente na grade olímpica em Sydney 2000. Estão previstas oito provas em Tóquio, variando por peso e gênero. No masculino, as lutas vão dos 58 kg aos mais de 80 kg; no feminino, de 49 kg até acima de 67 kg. O objetivo da luta é acertar chutes e socos no oponente sem ser atingido. Cada parte do corpo possui uma pontuação específica, e o maior pontuador vence. Uma partida tem três rodadas de dois minutos cada, com intervalos de um minuto entre as rodadas.

Tênis

O tênis é uma das modalidades que reúne estrelas no torneio olímpico. Nomes como Rafael Nadal, Andy Murray e as irmãs Williams já conquistaram medalhas ao longo das edições. A primeira vez que o esporte apareceu nas Olimpíadas foi em 1896, mas ficou 64 anos ausente e só retornou à grade em 1988. Em Tóquio, o torneio será em forma eliminatória, em competições simples. em duplas (masculina e feminina) e em duplas mistas.

Triatlo

O triatlo é um esporte de resistência que combina natação (1.500 metros), ciclismo de estrada (de 40 km) e corrida de longa distância (de 10 km). Não há eliminatórias, é uma prova disputada de uma vez. A primeira vez que o triatlo esteve nas Olimpíadas foi em 2000, tanto para homens quanto para mulheres. Em Tóquio, a modalidade terá novidades. Será incluído no programa um novo revezamento misto, com dois homens e duas mulheres em uma prova de curta distância (300 metros de natação, 6,8 km de bicicleta e 2 km de corrida)

Vôlei

O vôlei é um dos esportes mais queridos no Brasil. Com as seleções masculina e feminina medalhistas, o país está empolgado com as chances em Tóquio. O esporte tão popular entrou nos Jogos em 1964, na primeira edição realizada na capital japonesa. O torneio conta com 12 equipes masculinas e femininas, que começa em uma fase de grupos e depois disputam duelos eliminatórios até a grande final.

Polo Aquático

O polo aquático surgiu na Inglaterra, na década de 1860, e era disputado em lagos, rios e no mar. A modalidade masculina entrou nas Olimpíadas em 1900, mas as mulheres só puderam competir em 2000. O torneio tem 12 equipes entre os  homens e 10 entre as mulheres. O jogo é disputado em quatro quartos de oito minutos cada um. Os jogadores só podem ficar com a bola na mão por 30 segundos e é necessário levantar a parte superior do corpo bem acima da água para passar ou atirar ao gol.

Levantamento de Peso/Halterofilismo

O levantamento de peso foi incluído no programa dos Jogos Olímpicos modernos em Atlanta 1996 e hoje conta com 14 categorias, sendo sete masculinas e sete femininas. Entre os homens, é possível competir dos 61 kg até mais de 109 kg. Já entre as mulheres, a faixa de peso é menor, entre 49 kg e mais de 87 kg. Existem duas técnicas de levantamento: o snatch, quando a barra é levantada do chão até acima da cabeça em um único movimento, e o clean and jerk, que é a ação em dois tempos (no primeiro movimento a barra vai até o peito e é empurrada sobre a cabeça). Em três tentativas, quem levantar o maior peso vence.

Wrestling

O wrestling, ou luta livre, é uma herança dos Jogos Olímpicos antigos, de 708 a.C. São disputadas em duas modalidades: o estilo livre em 12 categorias entre homens e mulheres e a greco-romana com seis categorias apenas para homens. Existe, inclusive, uma crítica forte ao estilo greco-romano que não aceita a inclusão de mulheres. Os combates de dois períodos de três minutos, com intervalo de 30 segundos, são eliminatórios até a disputa pela medalha de ouro. O objetivo é derrubar o adversário e pontuar mais vezes.