Ângelo Villela: havia preocupação de Janot com indicação de Raquel Dodge à PGR

  • Por Estadão Conteúdo
  • 17/10/2017 12h32
Lula Marques/AGPTSegundo ele, o objetivo de Janot era que a delação provocasse a queda do presidente Michel Temer do cargo

O procurador Ângelo Goulart Villela voltou a acusar nesta quarta-feira, 17, o ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot de atuar politicamente ao assinar o acordo de delação premiada com executivos do grupo J&F. Villela presta depoimento a parlamentares na CPMI da JBS.

Segundo ele, o objetivo de Janot era que a delação provocasse a queda do presidente Michel Temer do cargo, evitando, assim, que ele nomeasse Raquel Dodge como chefe da Procuradoria-Geral da República, o que acabou ocorrendo.

“Não há a menor chance de o Rodrigo Janot não ter autuado de forma política, sem entrar no mérito da procedência da denúncia, para impedir que o presidente da República deixasse de indicar a dra. Raquel Dodge. E para isso ele precisava derrubar o presidente”, disse Villela. “Ele (Janot) sempre diz que tinha um crime em andamento, por isso tinha que dar a imunidade. Mentira. A pressa tinha outro motivo.”

Villela foi preso no dia 18 de maio, durante a Operação Patmos, suspeito de vazar informações sobre a Operação Greenfield, da qual o grupo J&F é alvo. Em troca, segundo os delatores, ele recebia uma mesada de R$ 50 mil. O procurador foi solto em agosto por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF). Ele nega as acusações.

“Não tenho dúvida de que o calvário que eu fui submetido tenha a ver com uma suposta relação de proximidade que me foi imputada em relação a ela (Raquel Dodge)”, disse.