Após Lava Jato, Odebrecht muda de nome e passa a se chamar Novonor

O anúncio foi feito por um representante de Maurício Odebrecht durante uma reunião virtual com funcionários; em nota, a empresa diz que não está ‘apagando o passado’, mas sim se ‘inspirando no futuro’

  • Por Jovem Pan
  • 18/12/2020 18h17 - Atualizado em 18/12/2020 19h55
EFEA Oderbrecht foi afetada pela Operação Lava Jato e seus desdobramentos

O Grupo Odebrecht mudou de nome e passou a se chamar Nonovor. A holding conta com 25 mil empregados, além de outras seis empresas dos setores de engenharia e construção, mobilidade urbana e rodovias, petróleo e gás, mercado imobiliário, petroquímica e indústria naval. O anúncio foi feito por um representante de Maurício Odebrecht, acionista majoritário do grupo, durante reunião anual transmitida para todos os funcionários do grupo. Em nota publicada nesta sexta-feira, 18, a empresa diz que não está “apagando o passado”, mas sim “olhando para o que queremos ser: uma empresa inspirada no futuro”. Desde 2015, a Odebrecht foi uma das empresas mais afetadas pela Operação Lava Jato.

Além dos escândalos de corrupção no Brasil, o grupo admitiu ter pago propina em outros 11 países. Dentre os receptores, estavam funcionários do governo, políticos e autoridades que facilitariam a obtenção de contratos ou benefícios em obras de grande porte. Em 2019, a Odebrecht entrou com um pedido de recuperação judicial que envolve R$ 51 bilhões de dívidas passíveis de recuperação. Segundo o processo, o valor total da causa é de R$ 83,6 bilhões, o que o torna o maior processo do gênero na história, superando a recuperação da Oi em 2016, de R$ 64 bilhões.

Ainda segundo a nota, que não menciona as mudanças provocadas pela Lava Jato, a decisão pela troca de nome “é o ponto culminante da transformação empreendida nos últimos cinco anos pela empresa”. “Nesse período, à medida em que ia mudando os seus processos internos e os seus métodos de atuação, rigorosamente pautados pela ética, integridade e transparência, a empresa implantou um sistema de conformidade no padrão das grandes corporações internacionais, e que foi certificado há dois meses por um monitor independente do Departamento de Justiça dos Estados Unidos”, diz a nota. Ao trocar de nome, a empresa também estabeleceu novo propósito e visão, além de novos compromissos, entre eles, operar com “os mais altos padrões éticos, técnicos, de governança e de eficiência para promover crescimento e prosperidade”.