Bolsonaro critica governadores contrários à ampliação de atividades essenciais

Segundo o presidente, “afrontar o estado democrático de direito é o pior caminho”

  • Por Jovem Pan
  • 12/05/2020 13h36 - Atualizado em 12/05/2020 13h46
GABRIELA BILó/ESTADÃO CONTEÚDOO presidente da República, Jair Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro criticou nesta terça-feira (12) os governadores que se manifestaram contrários à inclusão de novos serviços na lista de atividades essenciais que podem funcionar no Brasil durante a pandemia do novo coronavírus.

A lista atualizada está em decreto publicado em edição extra do Diário Oficial da União (DOU) na noite desta segunda (11). O presidente incluiu academias, barbearias e salões de beleza.

“Os governadores que não concordam com o decreto podem ajuizar ações na justiça, ou via congressista, entrar com projeto de decreto legislativo. Afrontar o estado democrático de direito é o pior caminho, aflora o indesejável autoritarismo no Brasil”, escreveu Bolsonaro nas redes sociais.

O presidente disse ainda que a intenção do governo ao aumentar a lista de atividades essenciais é “atender milhões de profissionais”. Segundo ele, a “maioria humildes, que desejam voltar ao trabalho e levar saúde e renda para a população”.

Nesta segunda, o país superou a marca de 11.500 mil mortes por Covid-19, com mais quase 400 óbitos nas últimas 24 horas. O número de pessoas infectadas pelo novo coronavírus está acima de 168 mil.