Bolsonaro diz que governo vai ofertar vacina ‘gratuita e não obrigatória a todos’

Fala do presidente acontece no mesmo dia em que o governo do Estado de São Paulo anuncia vacinação contra a Covid-19 a partir de 25 de janeiro; Anvisa ainda não aprovou imunizante

  • Por Jovem Pan
  • 07/12/2020 19h53 - Atualizado em 07/12/2020 20h53
WALLACE MARTINS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDOO presidente Jair Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta segunda-feira, 7, que o governo federal deverá ofertar vacina “a todos, gratuita e não obrigatória” contra a Covid-19. O anúncio do presidente acontece no mesmo dia em que o governo do Estado de São Paulo divulgou o cronograma de vacinação com início em 25 de janeiro. No Twitter, Bolsonaro escreveu: “Em havendo certificação da Anvisa (orientações científicas e preceitos legais) o governo do Brasil ofertará a vacina a todos, gratuita e não obrigatória”. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) ainda não aprovou nenhum imunizante. “Segundo o Ministério da Economia não faltarão recursos para que todos sejam atendidos. Saúde e Economia de mãos dadas pela vida”, disse Bolsonaro. O presidente, no entanto, não apresentou datas ou prazo na postagem.

Ainda nesta segunda, em entrevista ao programa Pânico, da Jovem Pan, diretor-presidente da Anvisa, Antônio Barra Torres, afirmou que “nenhuma das quatro vacinas em desenvolvimento no Brasil apresentou protocolos de registro”. “Nenhuma das quatro deu entrada em documentos de registro, por isso não temos sequer os protocolos para serem analisados. Antes de verificarmos estes protocolos de registro, precisamos acessar os documentos dos estudos clínicos referentes à fase 3 dos testes. No entanto, estes estudos ainda não se encerraram. Não é possível brincar nesta hora, estamos falando de uma coisa muito séria. Tratamos de atestar a uma mãe, a um pai, esposo ou esposa que podem usar as vacinas com a certeza de qualidade, segurança e eficácia. Por isso, encaramos o assunto com toda a seriedade que ele demanda”, disse Barra Torres.

Poucas horas após o cronograma de São Paulo ser divulgado, a agência reguladora informou, por meio de nota, que não recebeu os dados da fase 3 da CoronaVac. Segundo a Anvisa, as informações são essenciais para a avaliação de pedidos de autorização para uso emergencial e registro do imunizante.  “É importante destacar que para a solicitação de Autorização de Uso Emergencial é esperado que sejam apresentados minimamente os dados descritos do Guia sobre os requisitos mínimos para submissão de solicitação de autorização temporária de uso emergencial, em caráter experimental, de vacinas Covid-19”, diz trecho da nota.