Câmara técnica estuda aplicação de quarta dose da vacina para idosos e profissionais da saúde

Órgão criado para auxiliar o Ministério da Saúde ainda debate se há necessidade de mais uma aplicação e qual seria o intervalo após a terceira

  • Por Jovem Pan
  • 26/01/2022 17h19
ANTONIO MACHADO/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO - 22/12/2021 Mão feminina segura frasco de vacina e coloca agulha Chile e Israel são os países que já aplicam quarta dose; outros debatem possibilidade

A possibilidade de uma quarta dose de vacina contra a Covid-19 ser aplicada começou a ser debatida no Brasil, pela Câmara Técnica de Assessoramento em Imunização da Covid-19 (Ctai), criada para ajudar o Ministério da Saúde a definir medidas de combate à pandemia. A informação foi confirmada por Renato Kfouri, diretor da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) e membro da Ctai. A princípio, o público dessa quarta dose seria parte do que foi prioritário nas outras fases da vacinação: idosos e profissionais da saúde. Pessoas imunossuprimidas tem a recomendação para receberem a dose de reforço adicional desde dezembro, quatro meses após a segunda dose, a partir de uma portaria do Ministério da Saúde. Até o momento, o Brasil tem 70,2% da população vacinada com duas doses e 20,4% com três, segundo dados da plataforma Our World In Data, da Universidade Johns Hopkins, dos Estados Unidos.

Contudo, a Ctai ainda discute se há a necessidade da aplicação da quarta dose e qual seria o intervalo desde a terceira. Até o momento, a quarta dose já foi adotada em Chile e Israel, e outros países, como Alemanha e Estados Unidos, discutem a possibilidade após a explosão de novos casos com a chegada da variante Ômicron. Um estudo realizado no Centro Médico Sheba, em Tel Aviv, capital de Israel, indicou que a quarta dose não impede a infecção pela nova cepa, mas detectou um nível maior de anticorpos após a aplicação. Nesta terça, 25, um painel consultivo do Ministério da Saúde israelense recomendou incluir todos os adultos na nova aplicação, cinco meses após a terceira dose, após pesquisadores israelenses analisarem resultados de efetividade que mostraram que aqueles vacinados pela quarta vez alcançaram de três a cinco vezes mais proteção contra doença grave (ou seja, hospitalização ou morte) provocada pelo coronavírus em comparação com quem recebeu três doses.