Campanha da Jovem Pan e do Instituto Brasil 200 atinge a marca de R$ 1 milhão para doação de alimentos

Nova meta é de R$ 1,250 milhão; doações em dinheiro podem ser feitas por meio do site do Brasil 200, por PayPal, PagSeguro ou PIX

  • Por Jovem Pan
  • 13/04/2021 20h42 - Atualizado em 13/04/2021 20h48
GILSON BORBA/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDONa próxima semana, doações irão para comunidades do Brasil inteiro

A Campanha da Jovem Pan em parceria com o Instituto Brasil 200 atingiu a marca de R$ 1 milhão para doação de alimentos nesta terça-feira, 13. Com isso, a meta aumentou para R$ 1,250 milhão, que será revertido em doações de cestas básicas, cada uma no valor de R$ 50. Três ONGs ajudarão a distribuir as doações: G10 Favelas, que reúne cerca de 300 comunidades em todo o país; Pequeno Mestre, que atende mais de 1.300 famílias no Capão Redondo, na zona sul de São Paulo; e a instituição social Patris, que acolhe crianças e adolescentes em contraturno escolar. As doações em dinheiro podem ser feitas por meio do site www.brasil200.com.br/doe/ por PayPal, PagSeguro ou PIX. Quem preferir doar alimentos pode entrar em contato por meio das redes sociais, como o Instagram, ou pelo WhatsApp.

O presidente do Instituto Brasil 200, Gabriel Kanner, afirmou durante participação no programa “Os Pingos nos Is”, da Jovem Pan, nesta terça-feira, 13, que foram distribuídas hoje mil cestas em Paraisópolis e que mais quatro mil serão destinadas a outras comunidades da cidade de São Paulo durante esta semana. Na próxima semana, segundo ele, as doações irão para comunidades do Brasil inteiro. “Sabemos que isso não é a solução para os problemas do Brasil, precisamos de muitas outras coisas, como as reformas estruturais, reforma tributária, administrativa, precisamos trilhar um caminho de prosperidade para conseguir erradicar a pobreza. E a única forma para fazer isso é gerando empregos, com crescimento econômico, mas, no momento atual, estamos fazendo isso de forma emergencial para amparar essas pessoas que estão de fato desempregadas e estão passando fome.”