Campinas é primeira cidade do interior de SP a iniciar vacinação contra Covid-19

Governo do estado iniciou a campanha no domingo, 18, logo após a Anvisa autorizar o uso emergencial da CoronaVac; Botucatu, Ribeirão Preto, Marília e São José do Rio Preto deverão iniciar a imunização da população até terça-feira

  • Por Jovem Pan
  • 18/01/2021 17h06
Reprodução/Twitter/João DoriaO governador João Doria esteve presente no início da vacinação em Campinas

Campinas iniciou a campanha de vacinação contra Covid-19 na tarde desta segunda-feira, 18. Após coletiva de imprensa, o governador João Doria (PSDB) se dirigiu até Campinas para presenciar o início da imunização na cidade, que é a primeira no interior do estado a iniciar a vacinação. No domingo, 17, após a Agência Nacional de Vigilância Sanitária autorizar o uso emergencial da CoronaVac, o governo de São Paulo aplicou a primeira dose da vacina. A enfermeira Mônica Calazans, de 54 anos, foi a primeira brasileira a receber o imunizante. Em Campinas, Liane Santana Mascarenhas Tinoco foi escolhida para ser a primeira pessoa vacinada no município. Liane nasceu em Itaberaba, na Bahia, em 1971, mas mora em Campinas desde os 16 anos. Ela também é enfermeira e atua no Hospital de Clínicas (HC) da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) desde o início da pandemia.

“Mais um importante passo para proteger os heróis da medicina que se arriscam diariamente pela população no enfrentamento da pandemia”, disse Doria. “Este é o primeiro momento de vacinação fora da cidade de São Paulo. É aqui na cidade de Campinas. É aqui, prefeito Dário Saadi, a sua cidade, a cidade dos campineiros, a cidade dos brasileiros”, anunciou o governador. Além do HC da Unicamp, os Hospitais das Clínicas de Botucatu, Ribeirão Preto e Marília e o hospital de base de São José do Rio Preto receberam doses na CoronaVac nesta segunda. Nos hospitais de Ribeirão Preto, Marília e São José do Rio Preto, a vacinação começará na terça-feira, 19. Além da vacina, seringas, agulhas e equipamentos de proteção individual. As vacinas estão sendo transportadas pelos caminhões refrigerados. O diretor do Butantan, Dimas Covas, enfatizou que o intervalo entre as doses deverá ser de 28 dias, pois esse prazo aumento a eficácia da vacina para até 70%.