Ceará registra 51 assassinatos em 48 horas

O Estado enfrenta uma crise na área de segurança pública e policiais seguem amotinados em parte dos batalhões da PM. Nesta quarta-feira, o senador licenciado Cid Gomes (PDT) foi baleado

  • Por Rafaela Lara
  • 21/02/2020 18h34 - Atualizado em 21/02/2020 18h42
WELLINGTON MACEDO/ESTADÃO CONTEÚDO A tensão do governo do Estado com a categoria dos policiais começou diante de uma demanda por reajuste salarial

O Estado do Ceará registrou 51 assassinatos desde o começo da greve de parte dos profissionais da área de Segurança Pública. De acordo com a Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social do Estado, esse número foi atingido entre a meia noite desta quarta e às 23h59 desta quinta.

Desde as últimas semanas, o Ceará enfrenta uma crise na área de segurança pública e policiais militares continuam amotinados em parte dos batalhões da PM do Estado — eles reivindicam reajuste salarial.

A secretaria ainda divulgou um balanço nesta sexta-feira (21) dos assassinatos ocorridos ao longo da semana. “Na última segunda-feira (17), foram registradas três mortes. Na terça-feira (18), cinco. Na quarta-feira (19), 29 casos, e, ontem (20), foram registrados 22 CVLIs. O motim de um grupo de policiais militares teve início na noite da terça-feira (18)”, diz a nota. O número de mortes é mais de três vezes maior que a média registrada no resto do ano.

Nesta quarta, o senador licenciado Cid Gomes (PDT-CE) foi atingido por dois tiros de arma de fogo após tentar invadir um batalhão da PM na cidade de Sobral com uma retroescavadeira. Antes de ser baleado, ele tentou negociar com os grevistas, mas não foi atendido.

Após ser encaminhado para a UTI do Hospital do Coração de Sobral, Cid foi transferido para Fortaleza. Nesta semana, homens encapuzados invadiram batalhões da PM do Estado, roubaram e furaram pneus de viaturas.

“A Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) informa que das 0 horas da quarta-feira, dia 19, até as 23h59min, da quinta-feira, dia 20, foram contabilizados 51 Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLI), em todo o Estado. Os CVLIs englobam os casos que se enquadram como homicídio doloso/feminicídio, lesão corporal seguida de morte e latrocínio”, diz a nota.

Nesta quinta, a Força Nacional chegou ao Estado para reforçar a segurança, autorizado pelo ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro. A pasta não divulgou o contingente que atuará nas ruas do Ceará durante 30 dias. Nesta semana, o presidente Jair Bolsonaro também assinou o decreto que institui Garantia da Lei e da Ordem (GLO).